Envie seu vídeo(11) 97569-1373
quarta 30 de setembro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 30/09/2020
CENTRO MÉDICO CLUBE DS - TOPO
SOUZA ARAUJO
ÚNICCO POÁ
Pmmc Sarampo

Ator suzanense interpreta espetáculo Osmo no Teatro Contadores de Mentira

21 OUT 2015 - 07h00

Um serial killer com pretensões literárias está mergulhado na difícil e intrincada tarefa de contar sua história, quando é interrompido pelo telefonema de uma amiga que o convida para dançar. Com direção de Susan Damasceno, o monólogo Osmo tem atuação do ator suzanense Donizeti Mazonas e participação especial da atriz Érica Knapp. A peça será encenada hoje, às 20 horas, no Teatro Contadores de Mentira.

A peça é baseada em um dos contos do livro Fluxo-Floema (1970). "O centro de nossa investigação está essencialmente ligado à palavra. Em Hilda, a palavra nada tem de literário, pois a palavra é corpo. Tem um poder encantatório de aplacar a fúria de conhecer. Diante da força e complexidade de sua escrita, sentimo-nos desafiados a imergir nessa alquimia de instrumentos verbais e recriar os enigmas e imagens que brotam de sua literatura", conta a diretora.

Na montagem, Donizeti Mazonas é Osmo, um homem de meia idade, aparentemente sarcástico e amoral que vai pouco a pouco se revelando cada vez mais macabro. "Osmo é um anti-herói que busca compreender a dimensão da vida e da morte. Pensa unicamente em satisfazer os seus desejos, sem a interferência de uma moral que ponha freios aos seus instintos. Contudo ele busca em seus atos de horror a transcendência estética. Seu intento narrativo expõe tudo o que ele tem de humano, e isso implica percorrer os caminhos do bem e do mal", explica Donizeti.

Cubo acrílico com água

A encenação é pautada por uma cenografia sintética, com poucos elementos, onde a luz cria espaços e tempos da ação. Uma vez que o personagem narra a sua história enquanto toma banho, toda a ação da peça se desenrola dentro de uma banheira. Por isso a cenografia é constituída essencialmente por um cubo de acrílico, que faz às vezes dessa banheira. "A opção por este objeto em acrílico visa não somente à transparência, pois nele o corpo e a água podem ser vistos durante todo o tempo e em sua totalidade, mas essa transparência traz também inúmeros recursos de refração da luz, bem como de distorções do corpo", diz Donizeti.

A peça será encenada no Teatro Contadores de Mentira, localizado na Avenia Major Pinheiro Froes, 530, no Parque Maria Helena. Os ingressos são gratuitos.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias