Envie seu vídeo(11) 97569-1373
quarta 21 de outubro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 21/10/2020
Pmmc Sarampo Outubro
SOUZA ARAUJO
ÚNICCO POÁ
CENTRO MÉDICO CLUBE DS - TOPO
PMMC OUT ROSA

Chico Diaz é aplaudido de pé em Velho Chico

02 ABR 2016 - 08h00

Não é fácil mobilizar os olhares da plateia quando se está metido em moldura tão rica de elementos igualmente impressionantes, como é o caso de Velho Chico, a novela das 9 da Globo. Inserido naquela fotografia de encher a tela, nas linhas de um épico capaz de fazer o espectador chorar dia sim e dia também, Belmiro, o oprimido que não se permite oprimir, é um fiel retrato do brasileiro que não desiste nunca e não vai aí nenhuma analogia a campanhas eleitorais que tenham se utilizado dessa imagem.

Chico Diaz foi aplaudido de pé por sua performance como o sertanejo retirante da saga de Benedito Ruy Barbosa, sob a precisa direção de Luiz Fernando Carvalho.

Como você construiu essa figura, de traços rudes e alma doce?

Sempre tive muita vontade de retratar esse Brasil positivo, do trabalho, da vontade, da possibilidade de crescer, sempre fui muito observador, sempre me propus a cobrir a geografia brasileira do homem brasileiro em toda a sua extensão. O Belmiro se encaixa muito bem, não só pela geografia, mas também pelos tempos que estamos vivendo, pela oportunidade de o brasileiro esforçado criar seus filhos, plantar seu terreno, colher seu fruto. É um presente do Benedito e do Luiz. Esse personagem, nós temos em Vidas Secas, em Rachel de Queiroz, no (Cândido) Portinari, no Di Cavalcanti. São várias informações e fontes que temos dele, ao longo de 100 anos.

Ele já lhe foi apresentado com esse DNA?

Não, eu fui correr atrás, é uma responsabilidade minha. Fiz Corisco e Dadá, fiz O Baile Perfumado, fiz o Lua Cambará, eu tenho frequentado o Nordeste na minha carreira de cinema e tinha muitas informações de como poderia me aproximar do Belmiro, isso me apresentou os caminhos por onde eu poderia ir.

Belmiro vive nos anos 1960 e 70. A relação de opressão no Nordeste mudou na mesma proporção do avanço socioeconômico?

Eu vejo sempre metáforas. Para mim, como intérprete, tudo são símbolos, não um Brasil só de 60, de Francisco Julião, das ligas agrárias, mas também é o do forte contra o fraco em todas as instâncias. Podemos estar falando de anos 60, mas é plenamente adequado para os dias que correm, em se tratando do fraco, do pobre, da honestidade, do trabalho, de uma possível fertilização do seu terreno, essa coisa de criar filhos, ter um lado positivo O acesso à informação é importante, o acesso à educação, a noção de pátria, a família.

Podemos esperar por uma reversão dos oprimidos sobre os opressores até o fim da novela?

Não posso adiantar como termina a história, mas essa esgrima, essa medição de forças é uma realidade brasileira. Nós temos sobrenomes arraigados desde as capitanias hereditárias, com aqueles grileiros de terra que até hoje exercem poder em todas as instâncias. Nesse sentido, continua havendo uma tentativa de autoestima do pequeno, uma tentativa de crescimento, de educação, mas também tem o lado de lá, que não quer muito que as pessoas se desenvolvam. Mas, aos poucos, a gente segue com vento favorável. A evolução do homem sempre se mostrou vagarosa.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias