Envie seu vídeo(11) 97569-1373
sexta 18 de setembro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 18/09/2020
PMMC COVID SAÚDE
PMMC COVID LAR
CENTRO MÉDICO CLUBE DS - TOPO

'Liberdade, Liberdade' dribla concessões de praxe

21 ABR 2016 - 08h00

Dizer que tal programa de televisão "parece cinema", normalmente denuncia certo preconceito à tela menor, em detrimento da maior. Daí a conveniência de evitar essa associação. A qualidade, afinal, pode e deve estar a serviço da TV, como tem acontecido nos Estados Unidos e também aqui -, muitas vezes superando o êxito alcançado no cinema. Feita a ressalva, a referência à sétima arte na nova novela das 11 da Globo, “Liberdade Liberdade”, não se faz em função, ou não apenas, de jogar confetes sobre a direção de Vinicius Coimbra, e sim por tomadas que remetem ao modo de filmar da telona.

Caravelas tomam a tela e o foco do nosso Tiradentes no primeiro olhar do telespectador para essa história. Uma câmera então persegue Thiago Lacerda em sua caminhada, do cais ao miolo da vila, por trás dos muros à beira-mar, com escravos e outros cidadãos na contramão, a cruzar sua trilha. Desenha-se aí um plano-sequência que a TV, na urgência industrial de seu dia a dia, em geral não tem tempo suficiente de realizar. Enquanto seguimos o Alferes pelas costas, em sua busca pelo rapaz que há de lhe entregar o livro da independência dos Estados Unidos - munição para o seu sonho de liberdade da pátria -, nenhum corte

De ângulos, imagem e reconstituição de época primorosas, a produção nos leva a um texto enxuto, obra de Mário Teixeira, capaz de traduzir o temor e a brutalidade daqueles dias, quando os habitantes desta terra eram quase bichos. Nada é limpinho. Uma tonalidade encardida contamina, ainda bem, todos os quadros, em contraste com as alinhadas fardas ostentadas pelas autoridades militares em defesa da Coroa.

Mulheres tiram piolho uma da outra no prostíbulo, onde se atracam e se rasgam para exibir o peito nu por debaixo de camisolas de tecido frágil. Letícia Sabatella arranca um dente de Mateus Solano a sangue frio e ele agradece. Ela cobra seu preço. "Tudo isso por um dente?", questiona o paciente. "Pela sua dor. O seu dente não vale nada, pode levar", rebate ela. Mas a pequena Joaquina, Mel Maia, apresentada como destemida desde sempre, reivindica a peça: "Eu quero o dente!".

Autoridade chupa os dedos depois de devorar algo como um frango à passarinho, durante um interrogatório. E Solano é visto nu, em cena de tortura que ameaça punir-lhe a genitália, com promessa de delação premiada. Não demora a entregar Tiradentes ao malvado Ricardo Pereira, que no seu sotaque luso de verdade, nos faz embarcar no enredo com mais fé.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias