Envie seu vídeo(11) 97569-1373
sexta 27 de novembro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 27/11/2020
PMMC NOVEMBRO AZUL
CENTRO MÉDICO CLUBE DS - TOPO
PMMC MULTI 2020 NOV

Luiz Tatit apresenta seu novo disco solo em show realizado em São Paulo

27 FEV 2016 - 08h00

Luiz Tatit é essencialmente um homem das palavras. Professor da USP aposentado, mas que ainda dá aulas no programa de pós-graduação da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Tatit sempre levou, em paralelo, sua carreira na música - que incluiu sua participação na formação do grupo Rumo nos anos 1970. E, como compositor, ele arquiteta com esmero cada frase, cada estrofe, cada rima. Seu prazer em trabalhar com esse universo acaba de render outro belo disco solo, Palavras e Sonhos, que tem produção de seu filho, Jonas Tatit - e cujo repertório será apresentado nos shows que Luiz Tatit realiza hoje, na Casa de Francisca, em São Paulo.

Totalmente autoral, o novo álbum equilibra canções somente de sua autoria com as assinadas em parceria. E, mesmo nesses casos da composição em conjunto, ele prefere ficar com a parte da letra. "Fico mais exigente para esse lado da letra, e, normalmente, as melodias já são muito boas. Aliás, tem muita gente que faz melodia boa. O raro é letrista, talvez depende de idade, de vivência. Senão fica uma letra precária", justifica Tatit.

O título Palavras e Sonhos foi pinçado do nome da faixa que fecha o disco - mas que abre caminho para o conceito do disco, que transita entre a força das palavras e a inspiração ligada aos sonhos. Apesar de o próprio Tatit não acreditar nessa história de que a inspiração faz a canção. "Mas eu gosto disso como tema", diz. "Acho que uma boa encomenda inspira muito mais do que propriamente uma inspiração interna, essa ideia de baixar inspiração quando você menos espera. Pelo menos, para mim, isso nunca aconteceu."

No disco, Tatit se reencontra com os antigos parceiros Dante Ozzetti, em Musa da Música, e Zé Miguel Wisnik, em Tristeza do Zé. Essa última, aliás, remete a uma atmosfera rural, em letra e música, na qual Tatit e sua convidada especial Juçara Marçal cantam docemente, em duo, a dor de uma separação e da partida. Com Marcelo Jeneci, ele assina Estrela Cruel. A canção, gravada com o piano e a voz de Jeneci, herdou muito do seu estilo. Ali, é Jeneci puro. "Com ele, já fiz umas quatro ou cinco músicas. Essa que está no disco estava engavetada, porque nós a fizemos há cinco anos. Ele acabou não gravando e me mostrou essa versão mais desacelerada. Ele mostrou ao piano e achei muito bonita", conta Tatit.

De uma leva mais recente de parcerias, Tatit incluiu Do Meu Jeito, feita com Vanessa Bumagny, e Matusalém, composta com Arthur Nestrovski. Enveredando por temas como envelhecimento e eternidade, Matusalém tem uma levada bem saborosa - e nela chama atenção a sanfona precisa de Danilo Penteado. Até então, Tatit e Nestrovski nunca tinham composto juntos, mas já haviam se encontrado no palco, em um projeto que contava ainda com Wisnik. "Nos bastidores, Nestrovski começou a me mostrar umas músicas e via se eu queria fazer letra, acabei fazendo uma delas."

No campo das participações, além dos já citados Jeneci e Juçara, Tatit trouxe ainda para seu Palavras e Sonhos as cantoras Lenna Bahule, moçambicana, em Musa da Música, e Ná Ozzetti, que é amiga de longa data de Tatit, em Planeta e Borboleta.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias