Envie seu vídeo(11) 97569-1373
quinta 29 de outubro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 29/10/2020
PMMC MULTI 2020
Pms Coronavírus - Fase Verde
PMMC OUT ROSA
Pmmc Sarampo Outubro
CENTRO MÉDICO CLUBE DS - TOPO

‘Rosa é a mulher que eu gostaria de ser’, diz atriz Carolina Kasting

29 DEZ 2015 - 07h00

A voz serena e o olhar focado de Carolina Kasting são seus principais cartões de visita. A intérprete da chef de cozinha Rosa, de "Além do Tempo", novela das seis da TV Globo, “empresta” estas e outras características à personagem, uma mulher forte, bem-sucedida, mãe solteira, e que despertou o amor de Massimo e Bento, vividos por Luis Melo e Luiz Carlos Vasconcelos, respectivamente.

"Rosa me dá a oportunidade de fazer na ficção uma mulher que eu gostaria de ser. O que ela mais me ensinou até agora foi a luta pela integridade", diz a atriz.

Aos 40 anos, mãe de uma menina de 10 e com quase 20 de carreira na televisão, Carolina esbanja beleza. Gosta de participar de cada detalhe de seus personagens, e com Rosa não foi diferente. Carolina foi responsável pela escolha do batom usado pela cozinheira, e que é o favorito das espectadoras do canal. "Me orgulho muito disso. O batom vermelho é símbolo de poder e sensualidade. Tinha certeza de que Rosa precisava passar esse recado", conta, empolgada.

Todos os personagens tiveram uma “segunda chance” na nova fase da novela. Acha que a Rosa está aproveitando essa outra oportunidade?

Carolina Kasting - Acho que a Rosa não só está tendo uma segunda chance, como voltou mais evoluída. Ela sempre foi uma alma boa, uma mulher guerreira, e acredito que sua segunda chance condiz com isso.

Qual a mudança mais bacana da personagem?

Carolina - As possibilidades de realização como mulher. Rosa, no século XIX, era o protótipo da mulher moderna, mas não podia realizar isso. Agora, em pleno século XXI, ela pode e faz. Voltou mais bonita, vaidosa, forte, guerreira, dona do próprio negócio, mãe solteira e não aceita nenhuma injustiça.

Vê como se estivesse interpretando outro personagem ou o mesmo?

Carolina - Para mim é literalmente a segunda chance para a mesma personagem. Rosa Ventana vira Rosa Del Corso e me dá a oportunidade de fazer na ficção uma mulher que eu gostaria de ser. O que ela mais me ensinou até agora foi a luta pela sua integridade. A ser bela, íntegra e não depender de ninguém para isso.

Qual aspecto ou característica mais marcante que você “emprestou” para Rosa?

Carolina - A determinação. Sempre soube o que quis e fui atrás do meu sonho. Quando você quer uma coisa, tem que trabalhar muito para consegui-la.

O que te motiva nessa profissão?

Carolina - É dar vida a diferentes personagens. Lidar com o humano, o tempo todo...

Você tem uma filha ainda criança. Acha que a experiência ajuda a viver uma mãe na dramaturgia?

Carolina - Cora tem dez anos ainda. Alice (vivida por Klara Castanho) tem quinze. O comportamento e a personalidade mudam muito nessa fase, mas acho que Rosa é um exemplo de mãe. Ela sempre abre um diálogo justo com a filha, dá limite com afeto. E eu também sou assim com a Cora.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias