Envie seu vídeo(11) 97569-1373
Sintonize nossa Rádio101.5 FMClique e ouça ao vivo
Terça 21 de Novembro de 2017

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 21/11/2017
mrv

8,2% da água produzida na região abastece condomínios e indústrias

10 MAR 2015 - 08h01

Mais de 8,2% da água produzida nas cinco represas do Sistema Produtor Alto Tietê (Spat) é utilizado para abastecer grandes clientes da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp). O percentual corresponde a 152,3 milhões de litros. Ao todo 1,8 bilhão de litros abasteceram 526 clientes que têm contratos de fidelidade, com tarifas consideradas vantajosas.

A quantidade de água utilizada em janeiro deste ano por estes clientes do Spat é menor do que o registrado em fevereiro do ano passado. Na ocasião, 262,7 milhões de litros foram utilizados para abastecer grandes clientes. Estão nesta categoria, hospitais, condomínios comerciais, comércio, empresas, indústria, entre outros.

O maior consumo dos grandes clientes é do Sistema Cantareira. Dos cerca de 1,8 bilhão de litros, 851 milhões (46,5%) deixaram o manancial que está em situação mais crítica.

Esse volume, contudo, já foi maior. Levantamento feito pela Sabesp mostra que o consumo de água dos clientes fidelizados atendidos pelo Cantareira, como os condomínios comerciais da Avenida Paulista, caiu 25% em janeiro deste ano na comparação com fevereiro de 2014, primeiro mês da crise declarada no sistema, quando o gasto foi de 1,1 bilhão de litros.

Nesse período, a Sabesp reduziu em 45% a produção de água do Cantareira, por meio da economia feita pela população, da transferência entre sistemas, que diminuiu a cobertura do manancial de 8,8 milhões de pessoas (47%) para 6,5 milhões (34%) e, principalmente, com a redução da pressão e fechamento da rede durante a maior parte do dia, um racionamento que não é "sistêmico", segundo a companhia. Antes da crise, 73% da receita da Sabesp era obtida com o Cantareira.

De acordo com a empresa, os grandes consumidores também se empenharam na campanha de uso racional da água e reduziram o consumo mensal em 24%, entre fevereiro de 2014 e janeiro deste ano, atingindo todos os sistemas. No Guarapiranga, por exemplo, que fornece 31,6% da água dos clientes fidelizados da Sabesp, a redução foi de 22,3%.

Chamados de "demanda firme", os contratos de fidelidade são destinados a comércios e indústrias que consomem pelo menos 500 mil litros por mês. A vantagem para o cliente é que o custo do litro de água vai caindo à medida que o consumo cresce, lógica inversa da tarifa convencional. Por exemplo: na faixa de consumo de 500 mil a 1 milhão de litros, cada mil litros (metro cúbico) custa R$ 11,67. Já acima de 40 milhões de litros, o preço cai para R$ 7,72.

Para a Sabesp, o modelo de negócio, lançado em 2005 para tornar o preço da água mais competitivo no mercado e turbinado a partir de 2010, fideliza o cliente e garante melhor controle sobre o esgoto produzido pelas empresas. "O grande viés da demanda firme é o esgoto, que é 100% coletado pela nossa rede. O impacto ambiental disso é imenso", afirma a gerente de relacionamento com clientes da Sabesp, Samanta Souza.

 

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias