Envie seu vídeo(11) 97569-1373
sexta 19 de outubro de 2018

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 18/10/2018
PMMC OUTUBRO -  EDUCAÇÃO
MRV - CONQUISTE SEU APÊ
PMMC - SEMANA NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA
Costa Rica

Agências bancárias de Suzano atrasam atendimento em protesto

Atraso aconteceu devido à paralisação nacional do Dia do Basta. Movimento foi de protesto

Por Marília Campos - de Suzano10 AGO 2018 - 23h55
Atraso aconteceu devido à paralisação nacional do Dia do BastaFoto: Sabrina Silva/Divulgação
O atendimento nas agências bancárias de Suzano começou a partir do meio dia desta sexta-feira (10). O atraso aconteceu devido à paralisação nacional do Dia do Basta, como movimento de protesto contra a proposta insuficiente da Federação Nacional dos Bancos (Fenaban), além do repúdio à reforma trabalhista e o desmonte dos bancos públicos. De acordo com o Sindicato dos Bancários de Mogi das Cruzes e Região, novos atos de paralisação não estão previstos para os próximos dias. 
 
Quem buscou o atendimento bancário na manhã desta sexta-feira (10), teve de esperar. O retardo de uma hora nas atividades de 17 agências bancárias em Suzano refletiu o momento de paralisação nacional do Dia do Basta. 
 
O protesto foi planejado pelas centrais sindicais e movimentos sociais e a participação da classe aprovada em assembleia, realizada na última quarta-feira (8). "As mesmas assembleias rejeitaram a proposta da Fenaban, que propôs apenas a reposição da inflação para salários e demais verbas, além de não prever garantias contra as novas formas de contratação precárias da reforma trabalhista", explicou, por nota, o Sindicato dos Bancários de Mogi e Região.
 
Negociações
 
As partes devem se reunir novamente para mais uma rodada de negociações, prevista para o dia 17. Contudo, os bancários se mostram irredutíveis e não devem aceitar a perda de nenhum direito. A categoria almeja um aumento real, além de melhorias na participação nos lucros e resultados. "Não vamos aceitar fechar um acordo sem garantia de que os trabalhadores não serão substituídos por trabalhadores terceirizados, por PJ, por trabalhador autônomo", acrescentou, por meio de nota, Clayton Pereira, presidente do Sindicato.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias