Envie seu vídeo(11) 97569-1373
sábado 31 de outubro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 31/10/2020
PMMC COVID VERDE
Pms Coronavírus - Fase Verde
Reisinger Ferreira
Pmmc Sarampo Outubro
CENTRO MÉDICO CLUBE DS - TOPO

Apeoesp reúne 60 pessoas em passeata

09 MAR 2016 - 08h01

Um ato em prol da luta feminina reuniu ontem cerca de 60 pessoas no Centro de Suzano. A ação foi organizada pelo Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp) do município, em virtude do Dia Internacional da Mulher, celebrado ontem. O objetivo foi pedir direitos igualitários para as mulheres e as demais minorias da sociedade.

A diretora do sindicato Ana Lucia Ferreira disse que o movimento serve para incentivar as mulheres a lutar por direitos igualitários. "A importância desta ação é para denunciar o machismo, preconceitos contra LGBT, negros, religiosos e etc. Hoje (ontem) é o nosso dia e vamos aproveitá-lo para mostrar a todos que temos direitos iguais", argumenta.

O ato começou, às 12 horas, na Praça dos Expedicionários. Em seguida todos os membros que apoiavam o movimento, desceram a Rua General Francisco Glicério, levando cartazes em favor da causa. Entre as frases destacadas estavam: "Basta de Violência contra as Mulheres" e "Diga não ao Preconceito". Um carro com alto-falante também seguia o movimento, para chamar atenção de todos que passavam no local. Durante o trajeto, um agente de trânsito auxiliava na passagem da população. Além disso, panfletos explicativos foram distribuídos. O ponto final da ação aconteceu na Praça João Pessoa.

O professor Gilberto Moreira falou que o ato faz diferença na vida dos cidadãos e principalmente na conscientização de cada um. "Irá fazer a conscientização da violência. É um momento de reflexão. Atualmente ocorrem mais casos de violência doméstica, na qual até mesmo as crianças são afetadas. É importante denunciar, pois só assim vamos acabar com isso".

Já o educador Valdeci Alves da Silva ressaltou que é necessário que o público masculino entenda a causa. "Eu, enquanto homem, acho que o nosso papel é defender e assimilar toda esta razão. Elas também são da sociedade e precisam ter seus direitos".

A pedagoga Lindalva Gacia também falou sobre a importância de se debater o assunto. "Muitas mulheres ainda não tem o seu verdadeiro papel dentro da sociedade e acabam sofrendo. Vamos lutar para que isto aconteça".

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias