Envie seu vídeo(11) 97569-1373
segunda 28 de setembro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 27/09/2020
CENTRO MÉDICO CLUBE DS - TOPO
Pmmc Sarampo
ÚNICCO POÁ
PMMC COVID SAÚDE

Área do antigo Supermercado Guaió é comprada por empresários

24 JUL 2016 - 08h01

A compra do terreno que abrigou o antigo Supermercado Guaió, na altura do número 1.070, na Rua General Francisco Glicério, por um grupo de empresários suzanenses, foi confirmada pela Associação dos Corretores de Imóveis de Suzano (Acoris). O local foi cercado. Ainda são feitas especulações sobre os projetos que podem ser desenvolvidos no local e o preço de venda do imóvel está sob sigilo.

De acordo com o presidente da Acoris, Ademilson Alves Bernardes, os imóveis e terrenos localizados na Glicério possuem preços distintos, o que impede de apontar um valor para a área do antigo supermercado. "Além disso, o proprietário pode vender de acordo com a necessidade, ou seja, oferecer a propriedade por preço inferior ou acima do valor de mercado", explica.

Bernardes conta que o negócio foi fechado recentemente e que hoje há diversas especulações sobre o destino do espaço. Entretanto, ele adianta que os novos donos do terreno fazem estudos. "Foram feitas muitas especulações, mas é tudo muito recente e não há nada decidido", completa.

Para o presidente da Acoris, a área é bem localizada e poderia abrigar diferentes empreendimentos, entre eles um hipermercado, um condomínio ou um prédio comercial "que além de um empreendimento interessante, poderia trazer um bom retorno aos empresários". Bernardes frisa ainda que a venda favorecerá o entorno do imóvel que antes era alvo de vandalismo e invasões. "A construção de um centro comercial com várias lojas alavancaria a movimentação desta região e com certeza traria retorno aos empreendedores e comércios vizinhos", pontua.

A sede do extinto Supermercado Guaió faz parte da herança dos irmãos Ishimoto Ltda. A falência do grupo foi decretada em fevereiro de 2000, sendo que o processo ficou na 4ª Vara Cível de Suzano por muitos anos e possuía cerca de 30 volumes.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias