Envie seu vídeo(11) 97569-1373
quinta 24 de setembro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 24/09/2020
Pmmc Sarampo
PMMC COVID SAÚDE
CENTRO MÉDICO CLUBE DS - TOPO

Caxangá é alvo de assaltos e moradores têm receio de atender as portas

29 JAN 2016 - 07h00

Com portões totalmente fechados e alarmes, os moradores do Caxangá se previnem contra assaltos. De acordo com eles, roubo e furto de veículos se tornaram comuns na região e para se manterem seguros medidas como não deixar os carros estacionados na frente das casas e tomar cuidado com os pessoas que batem em suas portas, foram adotadas. Esse é o caso das pessoas que vivem na Rua Trindade Martins Sanches.

De acordo com a moradora da rua, Rosana Francisco de Souza, de 37 anos, os assaltos acontecem direto. "O último aconteceu no Réveillon. Um grupo de assaltantes veio até a rua ao lado e percorrendo a via foram assaltando casa por casa, levando carros", contou a moradora. Rosana contou o medo que passa na sua casa e na vizinhança. Para se prevenir, toma cuidado para quem abre a porta e onde estaciona o carro. "Dizem que ladrão não bate palma, mas bate sim". Ela e seu filho já foram alvo de assaltos. "Já nos roubaram um carro e uma moto. Agora eu tenho evitado. Vou até a casa do meu pai, aqui no bairro também, e não deixo o carro estacionado em frente".

O motivo para tantos assaltos na região seria a proximidade do bairro com rotas de fuga como a Estrada dos Fernandes e outras ruas de acesso a cidades como Poá e Ferraz de Vasconcelos. "E aqui todos os moradores sabem, os ladrões negociam nossos veículos. Roubam e depois pedem para que a gente pague para tê-los de volta. Um absurdo", comentou.

O morador Leandro Naves, de 29 anos, após ter seu carro roubado, há aproximadamente um ano, tem se prevenido. "Desde então não tive mais problemas, mas ouço o tempo todo os vizinhos e outros moradores comentando de assaltos. Graças a Deus não tive mais problemas. Agora a gente fica atento, toda cuidado para quem abre o portão, tem cerca e alarme. Tem que se prevenir. Esse é o melhor caminho", explicou.

A cabeleireira Débora Nascimento, de 46 anos, que possui um salão de beleza na Rua Trindade conta que só na rua sabe de quatro casos de assaltos. "Um aconteceu em frente ao meu comércio, de uma cliente. Acho que isso acontece devido a Estrada dos Fernandes. Fica mais fácil para eles darem fuga", comentou.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias