Envie seu vídeo(11) 97569-1373
terça 11 de agosto de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 10/08/2020
Pmmc Mutirão da Catarata
PMMC  VACINAÇÃO - SARAMPO
PMMC ECOTIETÊ
CENTRO MÉDICO CLUBE DS - TOPO
PMMC ALEITAMENTO MATERNO

Cerca de 80 famílias ocupam Residencial Santa Cecília no Jardim Margareth

Conjunto habitacional já passou por uma reintegração de posse em 2018; Prefeitura acompanha o caso

Por Carolina Rocha - de Suzano21 JUL 2020 - 22h00
Residencial foi ocupado por família. O conjunto é de responsabilidade da Caixa Econômica FederalFoto: Jackeline Lima/Divulgação
Cerca de 80 famílias ocupam o Residencial Santa Cecília no Jardim Margareth em Suzano. A informação foi confirmada pela Prefeitura da cidade, que disse que acompanha o caso desde o último domingo (19). De acordo com a Secretaria de Planejamento Urbano e Habitação, a construção é de responsabilidade da Caixa Econômica Federal, que “está em contato com a administração municipal para a resolução do caso o mais rápido possível em benefício de todas as partes”.
 
No mês passado, o Ministério de Desenvolvimento Regional (MDR) anunciou a retomada das obras nos apartamentos da unidade habitacional. 
 
Segundo o Ministério, serão entregues 280 apartamentos que deverão beneficiar 1,1 mil pessoas com renda familiar de até R$ 1,8 mil.
 
Reintegração em 2018
 
O condomínio de 14 blocos teve suas obras iniciadas em 2012, entretanto a construção foi paralisada em 2015. No mesmo ano, o equipamento foi ocupado pela primeira vez.
 
Na época, cerca de 300 famílias moravam irregularmente nos apartamentos destinados a pessoas inscritas no programa do Governo Federal, Minha Casa Minha Vida.
 
A reintegração de posse foi autorizada pela justiça e ocorreu em abril de 2018. Apesar de ter ocorrido sem resistência por parte das famílias, os estragos causados nos apartamentos foram extensos.
 
De acordo com reportagem publicada pelo DS na época, janelas, banheiros e cozinhas foram totalmente quebrados, o que causou o atraso na entrega dos apartamentos, que estava prevista para 2018.
 
Retomada das obras
 
Desde então, o Governo Federal fez o processo de contração de uma nova empresa para dar continuidade as obras no local. 
 
Com a contratação da nova empresa, o Ministério estima que cerca de 1,2 mil postos de trabalho diretos, indiretos e induzidos sejam gerados.
 
Além desse processo, o MDR também garantiu cerca de R$ 8 milhões para a retomada dos serviços. As obras são contratadas com recursos do Fundo de Arrendamento Residencial (FAR).
 
De acordo com o Ministério, 57% das obras no Residencial Santa Cecília já foram executadas, e o prazo para entrega dos apartamentos é de dez meses.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias