Envie seu vídeo(11) 97569-1373
domingo 20 de setembro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 19/09/2020
PMMC COVID LAR
PMMC COVID SAÚDE
CENTRO MÉDICO CLUBE DS - TOPO

Cidades devem trabalhar integradas para desenvolver Bacia do Guaió

06 ABR 2016 - 08h00

Cinco cidades devem trabalhar de forma integrada para criar um proposta, que será entregue ao governo estadual, para o desenvolvimento da bacia do Rio Guaió. O objetivo é a criação de novas zonas, área de expansão urbana controlada e implantação de uma área de expansão restrita, além da preservação ambiental. Os municípios abrangidos são Suzano, Ferraz de Vasconcelos, Poá, Mauá e Ribeirão Pires.

O assunto foi discutido ontem durante reunião com técnicos do Núcleo de Pesquisa em Tecnologia da Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (Nutau), que apresentaram um projeto técnico da área da Bacia do Rio Guaió para elaboração da proposta da nova legislação. A reunião aconteceu no gabinete do prefeito de Suzano, Paulo Tokuzumi (PSDB), e contou ainda com a presença do prefeito de Ferraz de Vasconcelos, José Izidro Neto (PMDB), das secretárias municipais Carmen Lúcia Lorente (Assuntos Urbanos), a Carminha, e Letícia Moraes (Meio Ambiente), além de representantes de Mauá, Ribeirão Pires e Poá. Ficou definido no encontro que cada cidade tem as suas particularidades que serão discutidas posteriormente

Segundo os pesquisadores e professores do Nutau, Wilson Edson Jorge, Maria Elizabeti Rodrigues, Carlos do Valle Martins e Mariana Rial, diferente da legislação atual, a proposta é ocupar para preservar. "Esse projeto é uma quebra de paradigma. Realizamos um estudo baseado, entre outros pontos, na questão demográfica. A lei precisa mudar seu caráter de proteção integral, que historicamente se mostrou irrealizável. A proposta apresentada hoje visa preservar ocupando ordenadamente as áreas", explicou Jorge.

Tokuzumi destacou a importância desse novo projeto, uma vez que o mesmo foi elaborado levando em consideração as características da região. "Esse modelo foi feito o mais próximo possível da nossa realidade. A lei deve garantir a proteção da bacia, mas isso precisa ser feito em paralelo com o desenvolvimento. O que vemos hoje é que se não for tomada uma medida, toda a região vai sofrer com a ocupação irregular da várzea e isso é motivo de grande preocupação", completou.

O prefeito de Ferraz também pontuou a questão das ocupações irregulares. De acordo com ele, é extremamente necessário pensar em alternativas para organização do crescimento populacional. "Esse é um assunto muito sério, as ocupações têm crescido cada dia mais, precisamos avançar com esse processo para que a lei chegue a tempo de preservar a Bacia do Guaió, e temos que encontrar um meio de garantir a utilização consciente dessas áreas", disse Izidro.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias