Envie seu vídeo(11) 97569-1373
domingo 27 de setembro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 27/09/2020
CENTRO MÉDICO CLUBE DS - TOPO
Pmmc Sarampo
ÚNICCO POÁ
PMMC COVID SAÚDE

Com casos de zika, procura por repelentes cresce e produto se esgota

11 DEZ 2015 - 07h01

A procura por repelentes nas farmácias de Suzano cresceu mais de 50%. Em algumas delas, o produto já não pode ser encontrado nas prateleiras. O principal motivo para isso acontecer é o surto da dengue e os casos de zika vírus que têm preocupado a população e os governos municipais, estaduais e federal. Atualmente o valor nas farmácias do repelente à base de icaridin - indicado contra o mosquito Aedes aegypti - pode variar de R$ 50 a R$ 80. Já os repelentes tradicionais custam entre R$ 13 e R$ 30.

De acordo com o gerente farmacêutico José Antônio de Souza, funcionário de uma drogaria no Centro da cidade, a "corrida" pelo repelente cresceu depois que o governo relacionou os casos de microcefalia com o zika vírus, doença que é transmitida pelo mosquito Aedes aegypti. Embora a região do Alto Tietê não tenha registrado nenhum caso do zika vírus, os suzanenses estão se prevenindo.

"A procura está muito grande, tanto que nem temos mais nenhum repelente para venda. A ‘explosão’ atrás do produto começou principalmente depois que algumas matérias na televisão ligaram o mosquito com o aumento da hidrocefalia. Tem muitas mulheres grávidas procurando pelo produto agora", falou Souza, que agora corre para repor o estoque. "Não temos previsão para chegada de mais repelentes, estamos tendo muita dificuldade com nossos fornecedores".

Situação parecida vive uma farmácia localizada na Rua General Francisco Glicério. No local, apesar da grande demanda os repelentes ainda podem ser encontrados. "A procura cresceu demais, não temos como mensurar, mas certamente dobraram as vendas. Ainda temos um estoque pequeno", relatou o gerente farmacêutico, Guilherme Peter.

Entre os principais repelentes em falta no mercado destacam-se os produtos à base de icaridin, composição de maior durabilidade e também única recomendada pelo Ministério da Saúde contra as doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti.

ZIKA VÍRUS

O zika vírus foi identificado no Brasil pela primeira vez em abril deste ano. Seus sintomas são dores musculares, coceiras e febre. Porém, seu maior risco é quando seu vírus é associado com outras doenças. No último dia 28 de Novembro, o Ministério da Saúde confirmou a relação entre o vírus zika e o surto de microcefalia no País.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias