Envie seu vídeo(11) 97569-1373
terça 15 de outubro de 2019

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 14/10/2019
Secom Segurança
Villa Europa

Desvio no trânsito atrai caminhões e incomoda moradores na Vila Amorim

Maior problema é com relação aos estragos que os veículos pesados estão causando

Por Daniel Marques - de Suzano10 OUT 2019 - 08h47
Reclamações são por conta do caos que a rua se tornou após o desvio, causado por obra de drenagemFoto: Sabrina Silva/DS
Moradores da Rua Hiyouki Koyama, na Vila Amorim, relatam os diversos problemas que estão enfrentando com o desvio do trânsito de uma das pistas da Marginal do Una, uma das vias de maior movimento da cidade. 
 
Segundo os residentes, a mudança foi feita na manhã de terça-feira, 9. As reclamações são por conta do caos que a rua se tornou após o desvio, causado por obra de drenagem. Anteriormente, segundo os residentes, a rua era fechada para veículos. Agora o acesso foi liberado e carros, motos e até caminhões precisam passar pelo local para dar a volta e tomar novamente a pista sentido norte da Marginal do Una.
 
O maior problema é com relação aos estragos que os veículos estão causando. Moradores dizem que os caminhões estão arrancando os fios de internet dos postes, por conta da altura. 
 
DS foi ao local e constatou que placas de sinalização foram arrancadas do chão, calçadas foram quebradas e o barulho na via - que antes era silenciosa - agora é ensurdecedor.
 
Cristina Marques Ferreira, 43, diz que a situação está insustentável. O esposo dela trabalha à noite e não consegue dormir por conta do barulho dos caminhões que passam pela rua. "Antes era sem saída, então sempre foi muito tranquila. Meu esposo chega às 7 horas e não dorme", reclama a artesã.
 
"Um caminhão quebrou no cruzamento com a Rua Gastão Vidigal, e não tinha ninguém da CET para orientar os motoristas. Quebraram a placa de sinalização e quase todo mundo da rua está sem telefone", conta a artesã Maria do Carmo, 54.
 
Já a dona de casa Maria das Mercês da Silva, 62, pede para que a rua continue aberta, mas pede cuidado aos motoristas. "É um local sem lazer nenhum”, lamenta.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias