Envie seu vídeo(11) 97569-1373
terça 11 de agosto de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 10/08/2020
Pmmc Mutirão da Catarata
PMMC ALEITAMENTO MATERNO
PMMC  VACINAÇÃO - SARAMPO
PMMC ECOTIETÊ
CENTRO MÉDICO CLUBE DS - TOPO

Emissão de carteiras de motorista cai 48,4% nas cidades da região

Autoescolas relatam dificuldades em matricular novos alunos devido incertezas

Por Carolina Rocha - da Região02 AGO 2020 - 14h14
Segundo o órgão, no ano passado foram emitidas 16.994 primeiras habilitações e carteiras definitivasFoto: Divulgação
A emissão da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) caiu 48,4% no Alto Tietê. De acordo com as estatísticas disponibilizadas pelo Departamento Estadual de Trânsito de São Paulo (Detran-SP), de janeiro a junho do ano passado 61.748 carteiras de motorista foram emitidas nas nove cidades da região. No mesmo período de 2020, esse número recuou para 31.802.
 
Segundo o órgão, no ano passado foram emitidas 16.994 primeiras habilitações e carteiras definitivas. Além disso, 1.735 motoristas realizaram a adição e mudança de categoria e 43.019 fizeram a renovação e a segunda via da carteira. Já em 2020 foram 9.945 primeiras habilitações e carteiras definitivas, 788 adições e mudanças de categoria e 21.569 renovações e segunda via. 
 
O reflexo dessa queda no número de emissões de carteiras também pode ser observado no baixo movimento nas autoescolas de Suzano. Eduardo Rodrigues de Araújo é proprietário de uma autoescola há 11 anos. Ele diz que depois de 90 dias fechado por conta das restrições impostas pela pandemia, a procura e o movimento ainda é tímido.
“Ainda está muito difícil. Paramos no dia 23 de março e voltamos no dia 15 de junho. Tivemos uma procura razoável para novas matrículas, mas ainda está tudo muito incerto. A nossa expectativa é de que as provas sejam liberadas logo”, explica.
 
Para outras autoescolas de Suzano, a situação é a mesma. Adriana Almeida trabalha há 10 anos no ramo. Ela conta que antes da pandemia, o movimento e as novas matrículas já haviam sofrido queda, mas que a situação se gravou ainda mais com a chegada das restrições e decretos que obrigaram o fechamento desses locais.
 
“Já estava ruim antes da pandemia, e depois disso só piorou. O mercado ainda está muito incerto. Muitos alunos fazem o orçamento, mas tem receio de pagar as aulas e não conseguir fazer todo o procedimento para tirar a carta, ou de a cidade voltar a fase vermelha e acabar fechando o comércio novamente”, relata Adriana.
 
De acordo com o Detran-SP, um sistema de reconhecimento facial, desenvolvido pela Prodesp (empresa de Tecnologia do Estado) já está disponível para que os alunos possam realizar as aulas teóricas de forma remota, em casa. Vale lembrar que o Conselho Nacional de Trânsito (Contran) alterou de 12 para 18 meses o prazo para conclusão do processo de habilitação.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias