Envie seu vídeo(11) 97569-1373
terça 16 de julho de 2019

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 15/07/2019
CENTERPLEX HOMEM ARANHA 11 A 17/07/2019
PMMC AGASALHO
PMMC INVERNO

‘Faria tudo de novo’, diz deputada um ano após evitar assalto em frente a colégio

Caso, que ficou conhecido nacionalmente e internacionalmente, elevou a popularidade da então policial e a fez ficar conhecida, por muitos, como a mãe heroína de Suzano

Por Aline Moreira - de Suzano12 MAI 2019 - 10h33
Kátia Sastre falou com o DS sobre o episódio ocorrido há um anoFoto: Sabrina Silva/DS
A vida da deputada federal Kátia Sastre (PR), conhecida anteriormente somente pelo título de cabo Sastre da Polícia Militar (PM), mudou completamente um ano após evitar um assalto, a mão armada, em frente ao colégio onde sua filha estudava em Suzano. O caso, que ficou conhecido nacionalmente e internacionalmente, elevou a popularidade da então policial e a fez ficar conhecida, por muitos, como a mãe heroína de Suzano. 
 
A decisão da deputada em atirar no bandido foi recebida com aplausos por alguns, e com críticas por outros. O fato é que os desdobramentos negativos do caso não impediram as mais de 200 mil pessoas que destinaram os seus votos a policial nas Eleições Gerais do ano passado. 
 
De cabo da PM à deputada federal, Katia explica que sua vida mudou por completo, a começar pela mudança para Brasília. "Optei por morar no Distrito Federal porque não conseguiria ficar longe das minhas filhas por mais de três dias, que é o período em que os parlamentares tem que permanecer obrigatoriamente em Brasília. Hoje elas estudam aqui", conta. 
 
Sobre a mudança de cargo, Katia diz que nunca pensou ingressar na vida política até considerar a carreira parlamentar como uma oportunidade de colaborar e trabalhar em prol de uma sociedade mais justa e igualitária, objetivos esses que ela afirma ter colocado em prática durante a carreira policial.
"Para ser sincera, antes dos fatos não me via sem ser policial militar, profissão que abracei e tive como base o meu pai, o Tenente PM Sastre, em quem sempre me espelhei e busquei ensinar a mim e aos meus irmãos o caminho do bem e de como sermos produtivos à sociedade" explica. 
 
"Entendendo que a carreira política era a oportunidade de colaborar com as pessoas, aceitei concorrer ao pleito e com a graça de Deus e ajuda de muitos consegui me eleger. Só tenho a agradecer aos 263.013 eleitores e eleitoras, pertencentes aos 642 municípios do Estado de São Paulo, que depositaram a confiança em mim", acrescenta. 
 
Antes mesmo de concorrer ao cargo de deputada, Katia foi homenageada pelo prefeito de Suzano, Rodrigo Ashiuchi (PR), pela Câmara Municipal, que aprovou uma moção de aplauso pela ação e pelo então governador do Estado, Márcio França, que ofertou flores à deputada um dia após o ocorrido. 
 
RELEMBRE O CASO 
 
A tentativa de assalto aconteceu no dia 12 de maio (sábado) de 2018. A deputada estava em dia de folga como policial e aguardava para entrar na escola da filha, onde participaria de uma comemoração do Dia das Mães. O caso aconteceu pela manhã, pouco antes das 8 horas. Esse foi o momento em que um homem surgiu com uma arma na mão e anunciou o assalto. Em uma atitude rápida, a então policial Sastre reagiu a tentativa e atirou contra o bandido, que foi a óbito no hospital. 
 
Kátia relembra o dia e lamenta não ter conseguido comemorar a data com a filha. Porém, esse ano, as comemorações começaram dias antes. 
"Nessa semana, compareci à escola das minhas filhas para participar do evento comemorativo de Dia das Mães, onde ao vê-las cantando com seus amiguinhos de sala, recordei-me dos fatos ocorridos no ano passado. Foi exatamente na mesma semana que houve a ação de um criminoso que aos gritos, apontava uma arma de fogo em direção às mães e a seus filhos, o que determinou a minha intervenção". 
 
Mesmo levando o assaltante a óbito, a deputada é firme quando diz que tomaria a mesma decisão do ano passado. "Em defesa da minha família, como mãe, como policial e em defesa da sociedade, faria tudo de novo", afirma. 
 
AÇÕES COMO DEPUTADA
 
Mesmo em meios as polêmicas envolvendo sua campanha eleitoral - a mãe do assaltante morto cogitou processar a deputada pelo uso indevido da imagem do filho sendo morto - Katia conseguiu uma cadeira no Congresso Nacional e Suzano voltou a ter uma representante na Câmara Federal. 
Em seu primeiro evento público em Suzano, no 32º Batalhão de Polícia Militar Metropolitana (BPM/M), a republicana anunciou o repasse de R$ 1,8 milhões para os cofres da cidade, que deveriam ser utilizados para obras de infraestrutura. 
 
Além disso, a parlamentar está atuando ativamente na reversão da decisão do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) de encerrar os serviços de perícia médica na Agência da Previdência Social (APS) da cidade. 
 
Ainda na área da saúde, a deputada solicitou ajuda ao ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, para evitar o fechamento da Santa Casa de Suzano, que terá o prédio leiloado em pouco menos de dois meses. 

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias