Envie seu vídeo(11) 97569-1373
quarta 21 de outubro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 20/10/2020
SOUZA ARAUJO
Reisinger Ferreira
ÚNICCO POÁ
PMMC MULTI 2020
Pmmc Sarampo Outubro

Greve dos bancos chega ao fim após 21 dias. Agências voltam a funcionar hoje

27 OUT 2015 - 07h01

Em assembleia realizada na noite de ontem, os bancários de Suzano e da região aceitaram a nova proposta de reajuste salarial apresentada pela Federação Nacional dos Bancos (Fenaban). Com isso, a greve da categoria, que durou 21 dias, chega ao fim. Os bancos voltam a funcionar, normalmente, a partir de hoje.

Na nova proposta, a Fenaban ofereceu reajuste de 10% para os salários, a Participação nos Lucros e Resultados (PLR) e para o piso. Além de 14% para os vales refeição e alimentação.

"Vivemos um momento de recessão e, no entanto, conseguimos garantir aumento real nos salários e reposição da inflação. Isso mostra que a força e mobilização dos bancários foram fundamentais para vencer a resistência dos banqueiros, que queriam impor perdas à categoria", relatou o presidente do Sindicato dos Bancários de Mogi e Região, Francisco Candido.

Em Suzano, na tarde de ontem, as agências do Itaú e do Bradesco já estavam sem os cartazes de greve e realizavam, inclusive, o atendimento ao público. Porém, os funcionários não confirmavam o fim da greve.

A dificuldade para pagar contas com valores altos e em receber benefícios como o Seguro Desemprego foram alguns dos itens listados pelas pessoas que foram prejudicadas com a greve dos bancários.

O vigilante Francisco Rogério, de 24 anos, relatou que não pode ter acesso e nem fazer movimentação na sua conta durante o tempo de paralisação. "Para acesso aos benefícios é o que mais prejudica. Não consegui retirar o Seguro Desemprego e nem movimentar a minha conta", relatou.

Já a cabeleireira Geni Pires, de 49 anos, alegou que precisará pagar juros em uma conta que não conseguiu quitar. "Tinha o dinheiro, mas porque o valor era alto não pude pagar nem no caixa eletrônico e nem na lotérica. Tive que pagar o limite que recebiam e agora vai vir juros em cima do valor que sobrou. Quem sofre é sempre a população. Eu tinha o dinheiro, mas não tinha onde pagar, é um absurdo".

O desbloqueio de cartões foi outro serviço que ficou prejudicado. "Algumas ações não podem ser feitas por meio do caixa eletrônico. Meu cartão foi bloqueado e eu tive que ficar uma semana nem movimentar minha conta porque não tinha como efetuar o desbloqueio", relatou o jovem Vinícius Santos da Silva, de 18 anos.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias