Envie seu vídeo(11) 97569-1373
quinta 01 de outubro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 01/10/2020
ÚNICCO POÁ
CENTRO MÉDICO CLUBE DS - TOPO
SOUZA ARAUJO

Indústria fecha 9,5 mil vagas em 12 meses, apontam dados do Ciesp

18 JUN 2016 - 08h01

A indústria do Alto Tietê encerrou o mês de maio com redução no ritmo de demissões. O nível de emprego apurado pelo Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp) permanece negativo, mas o índice caiu para -0,14%, o menor patamar dos últimos 19 meses na região. Com o resultado de maio, o nível de emprego industrial acumula no ano um índice de -5,63%, representando uma queda de aproximadamente 3.550 postos de trabalho. Nos últimos 12 meses, o acumulado é de -13,84%, o que corresponde ao fechamento de 9.500 vagas. Os dados são referentes as cidades de Biritiba Mirim, Ferraz de Vasconcelos, Guararema, Itaquaquecetuba, Mogi das Cruzes, Poá, Salesópolis e Suzano.

Em maio, a indústria do Alto Tietê fechou aproximadamente 100 postos de trabalho e, com isso, contabilizou um desempenho melhor do que o registrado no Estado, onde o emprego retraiu -0,33%, e na Grande São Paulo, -0,63%. No ranking das 35 regiões industriais paulistas, o Alto Tietê passou para o 18o lugar em maio - em abril, era o 32o .

"Em relação aos meses anteriores, as demissões perderam força no Alto Tietê e a expectativa é de que essa tendência de queda permaneça até porque, olhando o resultado dos últimos meses, não há muito mais onde cortar. A indústria da região fechou mais de 10 mil postos de trabalho entre janeiro de 2015 e maio deste ano. É muita coisa", ressalta o diretor do Ciesp Alto Tietê, José Francisco Caseiro.

Apesar da importante redução no ritmo, as demissões ainda devem continuar, conforme projeções do Ciesp para o nível de emprego na indústria paulista. "Já será muito bom se alcançarmos a estabilidade porque sabemos que, mesmo com a melhora no índice de confiança do empresariado, vai levar um tempo para isso reverter em contratações. Primeiro, o mercado precisa reagir para que as empresas possam retomar os investimentos e a produção. Só depois, é que o empresário vai pensar em admitir mais trabalhadores", avalia o diretor.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias