Envie seu vídeo(11) 97569-1373
terça 27 de outubro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 27/10/2020
PMMC MULTI 2020
PMMC COVID VERDE
SOUZA ARAUJO
CENTRO MÉDICO CLUBE DS - TOPO
Reisinger Ferreira

Indústria reduz ritmo de demissões em fevereiro, apontam dados do Ciesp

17 MAR 2016 - 08h01

O nível de emprego nas indústrias da região deu sinais de estabilidade em fevereiro, depois de meses de quedas acentuadas. As demissões continuam, mas o ritmo foi bem menor no último mês, com uma variação de -0,01%, o que significou uma redução de dez postos de trabalho, segundo pesquisa do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp), divulgada ontem.

Os resultados, no entanto, continuam negativos. No ano, o acumulado é de uma queda de aproximadamente 650 postos de trabalho. Nos últimos 12 meses, houve o fechamento de 7,5 mil postos de trabalho.

No mês de fevereiro, o nível de emprego industrial na diretoria Alto Tietê do Ciesp foi influenciado pelas variações negativas dos setores de Máquinas, Aparelhos e Materiais Elétricos (-1,52%) e Celulose, Papel e Produtos de Papel (-0,43%), que foram os setores que mais influenciaram o cálculo do índice total da região. O resultado só não foi pior devido às variações positivas dos setores de Produtos Têxteis (5,53%) e Produtos de Minerais Não-Metálicos (2,09%), que também influenciaram o resultado do indicador.

No ranking de fevereiro, o Alto Tietê ocupa a 10ª posição entre as 35 regiões industriais paulistas e seu desempenho, após vários meses, foi melhor do que o registrado na Grande São Paulo (-1,30%) e no Estado (-0,53%), que perdeu 27 mil postos de trabalho neste início de ano.

"Ainda que seja um índice bem melhor do que o que vinha sendo registrado na região, não chega a ser um refresco os resultados de fevereiro, pois o acumulado nos últimos meses é muito ruim. O pior desempenho da indústria do Alto Tietê", avalia o diretor do Ciesp no Alto Tietê, José Francisco Caseiro. "Continuamos sem perspectivas de mudança a curto prazo e, por isso mesmo, será preciso aguardar os próximos meses para avaliar se o ocorrido em fevereiro foi uma situação pontual ou chegamos mesmo a um ponto de estabilidade nas demissões", acrescenta.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias