Envie seu vídeo(11) 97569-1373
terça 15 de outubro de 2019

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 14/10/2019
Secom Segurança
Villa Europa
Cidades

Jornalista americano fala do horror em Columbine e na Raul Brasil

Em 2009, lançou o relato mais completo do episódio: Columbine - que chega ao Brasil em versão atualizada

Por de Suzano09 OUT 2019 - 23h58
Jornalista americano fala do horror em Columbine e na Raul BrasilFoto: Divulgação
Em entrevista às Páginas Amarelas da Revista Veja, na edição nº 2655, de 6 de outubro, o jornalista e escritor Dave Cullen falou do massacre ocorrido em 20 de abril de 1999, na Columbine High School, em Columbine, e comentou a tragédia na Raul Brasil. Ele foi o primeiro jornalista a chegar no local do tiroteio nos Estados Unidos. Na entrevista à Veja, também fez um ‘paralelo’ com o massacre na Escola Raul Brasil, em março deste ano. 
 
Na manhã de 20 de abril de 1999, quando os jovens Eric Harris e Dylan Klebold deram o tiro que deu início ao mais famoso massacre dos Estados Unidos, o jornalista almoçava perto da escola.
 
Em 2009, lançou o relato mais completo do episódio: Columbine (Editora DarkSide) - que chega ao Brasil em versão atualizada, com os diários dos assassinos. 
 
Crítico da imprensa, ele disse que ajudar a propagar sua fama dos criminosos foi, infelizmente, um erro da imprensa no caso da Raul Brasil. “Isso começou lá atrás, mas depois vieram os muitos filhotes de Columbine. São jovens que planejam e executam massacres com o intuito de imitar Eric e Dylan. Foi o que ocorreu no Brasil neste ano, em Suzano. O rosto dos jovens matadores foi reproduzido no noticiário em diversas línguas. É essa exposição que eles almejam. Devemos omitir no noticiário o nome e as imagens de quem comete esse tipo de atentado”, disse em entrevista à Veja.
 
O jornalista também criticou uma possível proposta de armar os professores, ventilada logo após o episódio da Raul Brasil. “A ideia de armar os professores é a proposta mais idiota que já ouvi sobre o assunto. Eles não precisam de mais gatilhos, e sim de aconselhamento, de supervisão. O trabalho de um professor é educar para o futuro”. 

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias