Envie seu vídeo(11) 97569-1373
segunda 16 de julho de 2018

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 14/07/2018
PMMC JULHO - FÉRIAS NA CIDADE
MRV WEB -SUPER SUPREME
PMMC JULHO - DESKTOP

Justiça nega pedido do sindicato para obrigar servidor a fazer contribuição

Valor gira entorno de R$ 25 mil. Os números foram concedidos pelo presidente do sindicato

Por Lucas Lima - De Suzano16 ABR 2018 - 23h50
Sindicato não pode cobrar, de forma obrigatória, um dia de contribuição sindicalFoto: Sabrina Silva/Divulgação
A Justiça do Trabalho de Suzano indeferiu o pedido do Sindicato dos Servidores Públicos - que entrou com uma ação contra a Câmara - para que 150 servidores públicos da Câmara “pagassem” um dia de trabalho à entidade. O valor gira entorno de R$ 25 mil. Os números foram concedidos pelo presidente do sindicato, Claudio Aparecido dos Santos, o Ted, que no entanto, afirmou que irá recorrer ao processo. 
 
De acordo com a Casa de Leis Municipal, a decisão de não descontar mais o valor referente a um dia de trabalho dos servidores da Casa está alinhada com a reforma da Lei Trabalhista. A nova legislação rege que este desconto não pode ser mais compulsório. Agora, o servidor que deseja contribuir com o sindicato de sua categoria têm que encaminhar uma declaração por escrito autorizando o débito em seu salário.
 
O presidente da Câmara, o vereador Leandro Alves de Faria (PR), o Leandrinho, explicou que apenas está seguindo a nova legislação. "Tanto que a ação impetrada pelo sindicato foi julgada improcedente e o processo foi extinto. O pagamento da contribuição passa a ser voluntário e não mais obrigatório", frisou.
 
Por outro lado, Ted destacou que um tributo não se tira com uma lei ordinária. O valor se refere a um dia de março e deveria ser depositado até 30 de abril. Por conta disso, ele frisou que irá recorrer ao processo e caso ganhe pedirá com juros e correção.
 
"A Câmara entende que ela está certa de não fazer o depósito. Só que vamos recorrer. Temos ainda a segunda e terceira instâncias. Todas as confederações entraram com ações diretas de inconstitucionalidade (ADI). Está na mão do jurista Edson Fachin oito ADI. Isso é tranquilo, vai demorar, mas vamos conseguir, além de que pediremos com juros e correção. Faremos tudo possível. Nesse caso são aproximadamente 150 funcionários, onde o valor seria cerca de R$ 25 mil", argumentou.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias