Envie seu vídeo(11) 97569-1373
domingo 27 de setembro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 27/09/2020
PMMC COVID SAÚDE
CENTRO MÉDICO CLUBE DS - TOPO
Pmmc Sarampo
ÚNICCO POÁ

Lagoas da região registram dez mortes por afogamento neste ano

20 FEV 2016 - 07h01

Em apenas dois meses, mortes por afogamentos na região registram 40% do total registrado no ano passado. Em 2016, a região já contabiliza dez acidentes deste tipo. Em 2015, foram 25 casos entre janeiro e dezembro. A informação foi divulgada pelo 17º Grupamento do Corpo de Bombeiros (GB) de Mogi das Cruzes, que atende Suzano, Poá, Ferraz, Itaquaquecetuba e Mogi das Cruzes. Em Suzano, a Lagoa Azul é citada como um dos locais mais comuns de afogamento.

De acordo com o levantamento dos bombeiros, em 2016 foram sete afogamentos em curso, ou seja, ocorrências em que o grupamento recebeu o chamado por afogamento, mas não conseguiu reanimar a vítima, e três por encontro de cadáver, como o caso divulgado pelo DS, ontem, do idoso encontrado morto boiando no Rio Tietê.

As cidades que mais registraram ocorrências neste ano foram Mogi das Cruzes com três afogamentos e Suzano, com duas ocorrências. Na cidade mogiana, os locais mais comuns de mortes por afogamento são as represas de Taiaçupeba e Jundiapeba-Estrada das Varinhas, e, o Rio Tietê. No município, duas ocorrências em curso e um encontro de cadáver foram computados em janeiro. Em 2015, a cidade registrou 18 mortes.

Em Suzano, duas ocorrências foram registradas, ambas com tentativa de resgate dos bombeiros. As duas vítimas morreram afogadas na Lagoa Azul, como o DS já noticiou. O jovem Pedro Antônio Vorus, de 19 anos, se afogou no dia 10 de fevereiro e Luis Paulo Macedo da Silva, de 21 anos, no dia 13 do mesmo mês. Os dois nadavam com os amigos no local. Além da Lagoa Azul, os bombeiros apontam a Lagoa do Parque Maria Helena, a Lagoa Vila Vilela, o Lago do Raposão e a Represa de Taiaçupeba próximo à Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), também locais de frequentes com casos de afogamentos. Em 2015, foram cinco mortes por afogamentos.

Itaquá e Guararema tiveram duas ocorrências este ano, uma em curso e outra sendo encontro de cadáver, totalizando quatro mortes. Em Ferraz de Vasconcelos, apenas uma morte por afogamento foi registrada neste ano. Em 2015, nenhuma destas cidades registraram mortes por afogamento. De acordo com os bombeiros, nestes municípios os locais mais comuns para os acidentes são: Rio Paraíba e Cachoeira do Putim, Parque Ecológico, Lagoa Mascarenhas, Lagoa Miguel Badra e Rio Tietê.

DICAS DE SEGURANÇA

De acordo com os bombeiros, as dicas simples para manter a segurança é manter as crianças sobre a vista, manter-se afastado de costeiras e pedras que possam escorregar e causar um acidente, não entrar em pânico caso se sinta em perigo e tentar boiar, não abusar de álcool e se manter atento a placas que sinalizam que o local é perigoso. Além disso, é recomendado evitar entrar no mar ou em lagoas com o estômago cheio, ou entrar abruptamente depois de muito tempo ao sol, para evitar choque térmico.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias