Envie seu vídeo(11) 97569-1373
sábado 24 de outubro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 24/10/2020
SOUZA ARAUJO
ÚNICCO POÁ
PMMC COVID VERDE
Reisinger Ferreira
CENTRO MÉDICO CLUBE DS - TOPO
Cidades

Movimento em barracas de lanche à noite é quase ‘zero’, afirmam funcionários

Situação ocorre há mais de dois meses, quando retornaram as atividades

Por Lucas Lima - de Suzano27 SET 2020 - 16h24
Movimento em barracas de lanche à noite é quase ‘zero’, afirmam funcionáriosFoto: Regiane Bento/Divulgação
As barracas de lanche do Centro de Suzano registraram queda nas vendas após a quarentena do novo coronavírus (Covid-19). Segundo funcionários, o movimento é quase zero após às 16 horas. Eles afirmam que os clientes continuam com receio da pandemia. Contudo, frisaram que estão seguindo os protocolos de saúde para combater o vírus, com uso de máscaras, álcool em gel e até mesmo de saquinhos nos lanches para proteger o alimento. A situação ocorre há mais de dois meses, quando retornaram as atividades. 
 
O funcionário de uma barraca de lanche, Wellington Donique Martins, disse que devido à queda das vendas a situação financeira está apertada. Segundo ele, está tendo que tirar o dinheiro do dia para pagar o pão e outros alimentos para fazer os lanches do dia seguinte. “O movimento está muito fraco. Para se ter ideia, antes da pandemia, o dinheiro do dia tirávamos o nosso salário. Agora, não conseguimos tirar o dinheiro, já temos que comprar os alimentos para a semana”, lamentou.
 
Já a funcionária de outra barraca de lanche, Gisele Aparecida da Silva, comentou que após às 16 horas o movimento é quase que zero. “O melhor horário, que está salvando, é no almoço. Nem à noite, que era o pico, está tendo mais. O pessoal está preferindo comer em casa neste horário”.
 
Marcia Barbosa, também funcionário de uma barraca de lanches, reforçou que os clientes ainda estão com receio da Covid-19 e explicou quais protocolos está seguindo para combater o coronavírus. “Está bem devagar. A maioria das pessoas que costumava a comer na barraca está comendo em casa ou trazem marmitas para o trabalho, para não saírem e correrem o risco de se contaminarem. Em relação aos cuidados, usamos máscaras, álcool em gel e evitamos ficar próximos de quem está sem máscara”, completa. 
 
Preço
 
O preço mais barato de um lanche de chapa é R$ 6. Já o mais caro é R$ 17,50. Por outro lado, hot dog pode ser encontrado por apenas R$ 5, podendo chegar até R$ 10.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias