Envie seu vídeo(11) 97569-1373
quarta 23 de setembro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 22/09/2020
CENTRO MÉDICO CLUBE DS - TOPO
PMMC COVID SAÚDE

‘Nossa administração visará ser a voz na periferia’, diz Professor Rodrigo

01 SET 2016 - 08h01

Candidato pela primeira vez à Prefeitura de Suzano, o Professor Rodrigo Assis (PSOL) contou em entrevista ao DS as propostas que pretende implementar caso seja eleito. Entre elas, Rodrigo listou suas prioridades em investir na educação, tanto na estrutura de ensino, quanto na valorização dos professores, na saúde e na democracia, implantando conselhos deliberativos.

Natural de Mogi das Cruzes e criado a vida inteira em Suzano, o candidato, de 33 anos, se classifica como militante na luta a favor da educação pública estadual desde a juventude, atuando como conselheiro no Sindicato dos Professores do município. O candidato a prefeito, graduado em Letras e Pedagogia, além de mestre em linguística, afirmou que decidiu pela candidatura para trazer propostas à Suzano. Ao lado dele, o professor Raniere Rodrigues Alcântara (PSOL) é o candidato a vice.

"Desde a juventude já me interessava por questões políticas e sempre me interessei pelos problemas da sociedade em geral, especialmente da nossa cidade. Nossa candidatura tem como eixos a valorização dos serviços públicos, porque é por eles que atendemos as pessoas mais necessitadas, que estão nas áreas periféricas. Nossa administração visará inverter prioridades, ser a voz na periferia, daqueles que são historicamente esquecidos", comentou o político.

Para ele, é preciso dar atenção à educação. "Esse ano tivemos muitas denúncias sobre a máfia da merenda, e outras questões que ligam professor e aluno, que é a falta de recurso. Há uma falta de estrutura e a categoria dos professores não tem reajuste. É uma área que a cada vez mais é estimulada a deixar o magistério público, o que é muito ruim"

Rodrigo contou sobre a intenção de criar conselhos populares deliberativos no município para estimular a democracia e a interação entre o executivo e o povo. "Acredito que sou o único candidato capaz de fazer uma gestão popular, democrática e participativa nessa cidade. Já participei de conselhos que, na verdade, as políticas já vinham todas elaboradas e a população só é informada do que já foi decidido. O PSOL já tem experiência com Congresso do Povo. A grande vontade política de chamar o povo, acatar suas demandas e deixar o povo deliberar as políticas que são dos seus interesses", comentou Rodrigo, que diz que o prefeito deve ter interação com a população.

Na saúde, o candidato afirmou que pretende continuar as obras estacionadas, buscar recurso para o hospital municipal e investir na Santa Casa. "Tudo aquilo que foi obra de outros governos, dar continuidade e completar. Outra questão é dar atenção à Santa Casa. O PS (Pronto-Socorro) tem problemas seríssimos e não vamos fugir dessa responsabilidade. O governo federal chegou a liberar verba para a construção do hospital municipal e houve falta de vontade política. Agora essa verba corre risco de se perde. Precisamos recuperar essa verba. A população de Suzano precisa muito de serviços públicos de saúde", pontuou.

O candidato também possui propostas para a mobilidade urbana. "Precisamos ampliar o leque de acesso à cidade, como, por exemplo, ciclovias. Suzano é uma cidade dormitório, então o acesso à estação de trem é algo estratégico, que pode ser feito pelo transporte pessoal e coletivo. Mas há pessoas que tem bicicleta e correm muito risco, principalmente se vem da Região Norte, Dona Benta, Badra, por causa a Avenida Vereador João Batista Fitipaldi. E lá tem espaço para fazer uma ciclovia", comentou.

Para ele, manter e ampliar o Passe Livre também é uma questão que pretende abordar na administração. "Tem que ser algo não somente para o estudo. A juventude também precisa ter acesso para a questão do lazer, esporte, cultura. Essa falta de Passe Livre para os jovens aos fins de semana é algo coibidor. Pretendo manter o passe livre e ampliar para os fins de semana", contou Rodrigo.

Sem coligações, o candidato afirma que a campanha será feira corpo a corpo, visitando os bairros e de baixo recurso. Questionado sobre como pretende convencer os eleitores de suas propostas, Rodrigo afirmou: "Acredito que a prática é o critério da verdade. Vamos divulgar as práticas que já temos, principalmente na área da educação. Quando já há uma prática para dar sustentação, seu discurso não fica vazio. Eu e meu vice não temos interesses que não sejam melhorias do setor público", contou.

Na possibilidade de vencer as eleições, Rodrigo Assis não descarta compor seu secretariado com políticos de outras legendas, caso o pensamento ideológico tenha o mesmo seguimento. "Não fizemos coligações. Tem secretarias que são estratégicas e o perfil para comandá-la é político e técnico, e não por acordo políticos feitos na calada da noite. Tanto que a gente nem se propôs a fazer esse tipo de acordo. Se for técnico, político e competente para assumir a pasta não teria problema ser de outra sigla, mas tem que estar afinado com nosso partido", esclareceu.

Como mensagem aos eleitores, Rodrigo afirmou: "Não é porque a população acha que a política é um jogo de marcas cartadas por poderosos, que ela deve deixar de lutar. Temos que acreditar na luta porque os sonhos também podem governar".

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias