Envie seu vídeo(11) 97569-1373
sábado 29 de fevereiro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 28/02/2020
CENTRO MÉDICO
PMMC SARAMPO
MAGIC CITY

Número de policiais civis no Alto Tietê cai 44% em 30 anos

Sindicato estima que em 1990, mil policias faziam parte do efetivo; em 2019 esse número caiu para 575

Por Carolina Rocha - da Região13 FEV 2020 - 05h00
Número de policias civis no Alto Tietê caiu 44% nos últimos 30 anos. As informações são do Sindicato dos Policiais Civis de Mogi das Cruzes e Região (SIPOCIMC)Foto: Arquivo/DS
O número de policias civis no Alto Tietê caiu 44% nos últimos 30 anos. As informações são do Sindicato dos Policiais Civis de Mogi das Cruzes e Região (SIPOCIMC). 
 
Segundo o sindicato, em 1990, a corporação contava com mil policiais. Em 2019, este número caiu para 575 oficiais, sendo que destes, 15 servidores já protocolaram pedido de aposentadoria.
 
Segundo o presidente do Sindicato, Waldir Fernandes da Silva, na década de 90 havia 45 mil homens em todo o Estado. Esse número regrediu para 26 mil no decorrer dos anos.
 
Para ele, "a situação é caótica, péssima. Não só no Alto Tietê, mas no estado de São Paulo. Faltam investigadores, escrivães, delegados. Isso afeta no atendimento à população que é muito demorado". 
 
Fernandes culpa o governo do PSDB pela situação da polícia civil. "Essa política desse governo (do PSDB) não se preocupa em investir nos recursos humanos da policia. Não abre concursos para suprir a demanda das delegacias da região. Para se ter uma ideia, do concurso feito para a civil em 2013, o governo do estado só começou a chamar os aprovados cinco anos depois, em 2018." 
 
Ele ainda relata que o cenário para a polícia militar totalmente diferente. "A PM abre concurso todo ano. Agora com a polícia civil, o governo não se preocupa, não dá a mínima".
 
Ela ainda conta que as delegacias só não fecharam as portas porque as prefeituras das cidades da região ajudam e cedem funcionários e estagiários para ajudar no trabalho.
 
Segundo ele, isso não é o ideal, pois a mão de obra não é qualificada, mas acaba sendo o caminho para não prejudicar ainda mais o trabalho.
 
"A policia civil está entrando em um colapso total, e infelizmente não há previsão de melhora em um futuro próximo", lamenta o presidente.
 
Em nota, o sindicato disse que a quantidade de policiais civis não acompanhou o ritmo de crescimento das cidades da região.
 
Mogi das Cruzes, por exemplo, em 1990 tinha uma população de 263.336 habitantes e a polícia civil do Alto Tietê somava mil policiais. Após 30 anos, Mogi cresceu para 452.842 habitantes, enquanto o número de policias da região diminuiu para 320 em Mogi e 560 na região (já contando os policias que vão aposentar). Ou seja, enquanto a população aumentou 72% somente em Mogi, o efetivo da polícia diminuiu 44%.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias