Envie seu vídeo(11) 97569-1373
domingo 27 de setembro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 27/09/2020
ÚNICCO POÁ
Pmmc Sarampo
CENTRO MÉDICO CLUBE DS - TOPO
PMMC COVID SAÚDE

Número de queimadas cresce 51% com 426 focos em sete meses na região

Dados são do setor de operações do 17º Grupamento do Bombeiros de Mogi das Cruzes e reúnem cidades do Alto Tietê

Por Carolina Rocha - de Suzano15 AGO 2020 - 05h00
Queimadas aumentam 51% com 426 focos de incêndios na regiãoFoto: Arquivo/DS
O número de queimadas registradas nos sete primeiros meses de 2020 já totaliza 71,9% dos incêndios em cobertura vegetal de todo o ano de 2019. 
 
De acordo com dados do setor de operações do 17º Grupamento do Bombeiros de Mogi das Cruzes, em 2019, o Alto Tietê registrou 592 ocorrências de queimadas. De janeiro a julho de 2020, esse número já chega a 426 incêndios, o que corresponde a 565,5 alqueires de área queimada. 
 
Além disso, o número de queimadas de janeiro a julho deste ano é 51% maior do que no mesmo período do ano passado. Em 2020, a região registrou 426 focos de incêndios contra 282 em 2019. O levantamento realizado pelo Grupamento não abrange os municípios de Arujá e Santa Isabel.
 
Até o momento, maio foi o mês com o maior índice de queimadas, com 111 incêndios, seguido de julho (109), abril (105), junho (53), março (24), fevereiro 14 e janeiro (10). Entre as cidades com os maiores focos estão Mogi das Cruzes com 184, Suzano com 62 e Guararema com 59. Em seguida aparecem as cidades Itaquaquecetuba com 49, Ferraz de Vasconcelos com 41, Poá com 22, Biritiba Mirim com 5 e Salesópolis com 4. 
 
No geral, os incêndios em cobertura vegetal vêm caindo ao longo dos anos. No ano de 2016 foram registradas 925 ocorrências dessa natureza, contra 647 em 2017. Já em 2018, houve um aumento quando 848 queimadas foram contabilizadas na região. Em 2019, esse número caiu expressivamente para 592. De 2016 para 2019 a queda no número de queimadas foi de 36%.
 
Por município, de 2016 para 2019, Ferraz de Vasconcelos é a cidade com a maior queda no número de queimadas, de 129 para 38, um recuo de 70,5%. Em seguida aparecem os municípios de Salesópolis com queda de 57,8% (de 19 para 8), Biritiba Mirim com 50,3% (de 165 para 82), Mogi das Cruzes com 38,6% (378 para 232), Suzano com 37,4% (de 131 para 82), Poá com 32,5% (de 43 para 29) e Guararema com 22,2% (de 9 para 7). Apenas Itaquaquecetuba registrou alta de 96% no número de incêndios (de 51 para 100).
 
Vale ressaltar que o período de estiagem no Alto Tietê vai do mês de maio até outubro. Ou seja, a região ainda tem três meses com condições que favorecem as queimadas, com o clima mais seco e ventos frios a noite que ajudam a espalhar as chamas. Causar incêndios em florestas é crime ambiental sujeito a multa e prisão, assim como o uso indiscriminado das queimadas em áreas rurais, considerado crime contra o meio ambiente.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias