Envie seu vídeo(11) 97569-1373
sábado 18 de janeiro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 17/01/2020
CENTRO MÉDICO
CENTERPLEX 16 A 22/01
Evatânia Psicopedagoga
Suzano e Poá

Pelo 2º dia seguido, SP-66 sofre interdição para obras da Sabesp

Sabesp informou, por meio de nota, que as interdições são para implantação de uma laje interna (abaixo da superfície)

Por Daniel Marques - de Suzano05 DEZ 2019 - 23h58
Pelo 2º dia seguido, SP-66 sofre interdição para obras da SabespFoto: Regiane Bento/Divulgação
A Avenida Major Pinheiro Fróes (SP-66) sofreu interdição no sentido Suzano na noite de desta quinta-feira e terá um dos sentidos novamente interditado nesta sexta-feira. Desta vez, a pista sentido Poá será fechada das 21 horas até as 5 horas da manhã deste sábado (7).
 
A Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) informou, por meio de nota, que as interdições são para implantação de uma laje interna (abaixo da superfície). Em seguida, a companhia vai aterrar para, posteriormente, pavimentar a via. Uma nova interdição está prevista para o próximo dia 10.
 
Problemas
 
Antes mesmo de ser feita a interdição, os motoristas puderam sentir novamente os problemas que as obras causaram na tarde de ontem. Por volta das 14 horas - período com movimento razoável de veículos pela via - o congestionamento já iniciava desde a saída do Viaduto Ryu Mizuno na pista sentido Poá.
 
"O transito é um inferno. Às vezes eu fico cerca de uma hora aqui. Isso atrasa o meu trabalho, já que passo por essa via muitas vezes", conta o caminhoneiro Tiago Almeida, 26.
 
Os motoristas dizem que levam entre 30 minutos e uma hora só para ir de Suzano até Poá por conta dos buracos. O mestre de obras Paulo Roberto, 41, conta que precisa fiscalizar algumas construções, mas perde uma hora por dia parado no congestionamento.
 
"Está na hora de fechar, porque o negócio está feio. São três vezes por dia indo e voltando porque tenho projetos em Suzano e Ferraz. A gente entende que é obra, mas tinha que agilizar mais", pede. O caminhoneiro Marcos Alves, 42, diz que apesar de trabalhar das 7 às 17 horas, o trânsito durante o dia atrapalha nas entregas de gás. "Daria para fazer mais entregas, já que são vários clientes. Sem esse trânsito, daria para ir até Mogi três vezes e voltar. Hoje, só é possível ir uma vez ou duas no máximo", diz. "Neste momento (às 14 horas) está péssimo (o trânsito). Sem esse congestionamento, consigo chegar em 20 minutos. Agora, levo 45 minutos de Suzano para Itaquá. Já tem um tempo que está me atrapalhando", conta a técnica de enfermagem. Marcela Lima, 26.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias