Envie seu vídeo(11) 97569-1373
sábado 24 de outubro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 24/10/2020
PMMC COVID VERDE
SOUZA ARAUJO
Reisinger Ferreira
Pmmc Sarampo Outubro
CENTRO MÉDICO CLUBE DS - TOPO

Poá, Suzano e Mogi estão no ranking das melhores do País para envelhecer

Poá é a melhor colocada. Está na 65ª posição. Em seguida vem Mogi das Cruzes na 122º posição

Por Edgar Leite - de Suzano16 OUT 2020 - 05h00
Sete cidades da região aparecem na lista das melhores para envelhecerFoto: Regiane Bento/Divulgação
Sete cidades do Alto Tietê aparecem no ranking com os melhores índices de longevidade no Brasil. Aquelas em que são as melhores para envelhecer.
 
Poá é a melhor colocada. Está na 65ª posição no ranking nacional. Em seguida vem Mogi das Cruzes na 122ª posição; Arujá na 125ª colocação; Suzano na 158ª; Ferraz de Vasconcelos na 175ª; Santa Isabel na 200ª, e Itaquaquecetuba na 221ª.
 
O Índice de Desenvolvimento Urbano para Longevidade (IDL) é uma iniciativa do Instituto de Longevidade Mongeral Aegon que conta com metodologia da Fundação Getulio Vargas.
 
Chega à sua segunda edição com 876 municípios analisados, nos quais vivem 160 milhões de brasileiros. A primeira edição, lançada em 2017, analisou 498 cidades. O objetivo do estudo é apontar, de forma clara e objetiva, os pontos positivos e negativos dessas cidades para que gestores, governantes e representantes da sociedade civil possam pensar em ações efetivas que promovam o aumento da longevidade com qualidade de vida nestas localidades.
 
Para isso, o IDL 2020 se baseou em 50 indicadores divididos em sete variáveis: Cuidados de Saúde; Bem-Estar; Finanças; Habitação; Cultura e Engajamento; Educação e Trabalho; e Indicadores Gerais. Os resultados mostraram que mais da metade dos municípios analisados não está adequada para a longevidade de suas populações.
 
Para o Instituto, o dado é preocupante, visto que a população brasileira passa por um processo de envelhecimento acelerado.
 
“O papel do IDL é muito além de ser um ranking", explica Henrique Noya, diretor-executivo do Instituto de Longevidade Mongeral Aegon. "Ele é uma ferramenta prática que contribui diretamente para que os gestores públicos desenvolvam políticas que melhorem a qualidade de vida nas cidades, e para que os empresários identifiquem oportunidades de ofertas de produtos e serviços que atendam a essa mesma demanda. Da mesma forma, é um importante aliado para que a sociedade conheça de forma objetiva a realidade de seus municípios e, com isso, possa escolher melhor os seus próximos representantes, principalmente em um ano de eleição municipal”.
 
Cidades mais bem colocadas no IDL 2020
 
Os resultados foram divididos em duas categorias: cidades grandes - aquelas com mais de 100 mil habitantes - e cidades pequenas – com menos de 100 mil habitantes. Entre as grandes, a edição de 2020 do IDL apontou a estreante São Caetano do Sul (SP) como a mais bem preparada para que sua população viva mais e melhor.
 
Para o diretor do Instituto, isso não significa que o município não tenha desafios a enfrentar, ou que não possa melhorar ainda mais nos pontos em que teve bom desempenho. 
 
“Embora ocupe o primeiro lugar da lista, um ponto de atenção para a cidade é a alta concentração de renda”, completa Noya.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias