Envie seu vídeo(11) 97569-1373
segunda 10 de agosto de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 08/08/2020
PMMC  VACINAÇÃO - SARAMPO
CENTRO MÉDICO CLUBE DS - TOPO
Pmmc Mutirão da Catarata
PMMC ALEITAMENTO MATERNO
PMMC ECOTIETÊ

Prefeitura de Suzano diz que cesta de medicação está 92% abastecida

Justificativa surge após o presidente da Associação da Melhor Idade, Marcos Antônio Costa, o Marquinhos da Melhor Idade, denunciar a falta de um importante medicamento para o coração

Por de Suzano05 JUL 2020 - 14h03
Prefeitura emitiu nota após denúncia de presidente de AssociaçãoFoto: Arquivo/DS
A Prefeitura de Suzano informou que o abastecimento atual da cesta de medicação da cidade é de pouco mais de 92%, e que a reposição realizada a cada 15 dias nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs). A justificativa surge após o presidente da Associação da Melhor Idade, Marcos Antônio Costa, o Marquinhos da Melhor Idade, denunciar a falta de um importante medicamento para o coração na Unidade Básica de Saúde (UBS) Prefeito Alberto Nunes Martins - CSII.
 
Trata-se do Anlodipino 5mg, usado para casos de hipertensão e dores no peito por doença no coração. É a terceira vez que isso acontece, de acordo com ele.
 
Em nota, a Prefeitura disse ter resolvido o problema. Segundo o documento, o Anlodipino 5mg estava em falta porque houve um atraso por parte do fornecedor, mas a empresa foi notificada e o medicamento foi entregue na última sexta-feira (3).
 
Marquinhos diz que muitos aposentados da associação que precisam usar remédios controlados têm reclamado com frequência da falta de medicamentos na cidade.
 
“Isso está acontecendo com muita gente. Falta remédio de uso contínuo. No meu caso, é um remédio para o coração. Cheguei lá e disseram que teria que aguardar 15 dias. Meu coração não vai esperar isso”, disse o presidente da associação. 
 
Segundo Marquinhos, os custos do remédio em farmácias beiram os R$ 60. Ele cobrou “mais organização” nas aquisições dos medicamentos.
 
De acordo com a Prefeitura, o Centro de Abastecimento Farmacêutico (CAF) tem o planejamento dos estoques no almoxarifado. “Quando há redução de estoque, os pedidos de compra são emitidos via ata do contrato de licitação, logo o medicamento nunca acaba antes do pedido ser efetuado”.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias