Envie seu vídeo(11) 97569-1373
sexta 25 de setembro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 25/09/2020
Pmmc Sarampo
CENTRO MÉDICO CLUBE DS - TOPO
PMMC COVID SAÚDE
ÚNICCO POÁ

Representatividade feminina nas Câmaras cresce 43% em 15 anos

31 JUL 2016 - 08h00

A representatividade feminina nas Câmaras municipais do Alto Tietê aumentou 43% nos últimos 15 anos. Na legislatura de 2001-2004, as Casas de Leis da região contavam com 14 mulheres. Na gestão de 2013-2016, o número subiu para 20. Os dados fazem parte de levantamento feito pelo DS, nos sites do setor legislativo de cada cidade e aponta quatro mandatos.

No total, em 15 anos, legislaram nas Câmaras da região 64 mulheres. Algumas delas assumiram o mandato como suplente, enquanto outras figuraram no meio político em mais de uma gestão. Para se ter uma ideia, na legislatura de 2001-2004, Arujá contava com cinco mulheres na Câmara Municipal. O número de cadeiras femininas teve queda consecutiva e na atual gestão apenas uma mulher dá voz a Casa de Leis (veja mais detalhes no quadro).

Em Mogi das Cruzes, 2001 também foi o ano que registrou o maior número de legisladoras. Porém, em contraponto à Arujá, Mogi manteve a média de três mulheres em cada uma das três legislaturas seguintes. O município se destaca por ter tido o maior número de mulheres no setor legislativo durante o período, 13 no total, sendo que Inês Paz assumiu o cargo duas vezes. Odete Rodrigues Alves Sousa e Vera Lucia Nogueira Rainho Prado atuaram na Câmara em três gestões e fazem parte do atual quadro da Casa.

Suzano e Ferraz, seguidos de Poá também fazem parte das cidades com maiores números de mulheres no setor. Nas duas primeiras cidades, em 15 anos, oito legisladoras representaram o povo, na última foram seis. Na cidade suzanense, a vereadora Quitéria David da Silva Araújo foi eleita em 2005, 2009 e 2013.

Em Ferraz, Anália de Oliveira Schiavinati também assumiu três mandatos sequentes, 2001, 2005 e 2009, enquanto Ana Acilda Alves da Silva se elegeu em 2005 e 2013.

Poá, por outro lado, é a cidade que mais registrou a gestão de vereadoras suplentes. Em 2001, a Casa de Leis contou com duas suplentes, Marlene de Sant'anna e Aparecida Paixão que também assumiu como suplente na legislatura seguinte, em 2005. Na sequência, o município conseguiu eleger duas vereadoras titulares, sendo que Jeruza Reis legislou em 2009 e faz parte da atual gestão.

Biritiba Mirim e Salesópolis possuem o menor número, ambas com três legisladoras em 15 anos. Biritiba não teve cadeira feminina em 2009 e Salesópolis ficou 2001 e 2005, na mesma situação. Com quadros semelhantes, mas com um total de quatro vereadoras, respectivamente, está Guararema e Itaquaquecetuba. A primeira cidade ficou 2005 e 2009 sem representatividade feminina e Itaquá não contou com mulheres no Legislativo de 2001.

Santa Isabel também ficou oito anos sem vereadoras. O quadro se reverteu em 2009 quando quatro legisladoras assumiram. Contudo, na atual gestão, apenas uma mulher se elegeu. Na cidade, nenhuma vereadora assumiu mais de um mandato e em 2009, Renata Rodrigues assumiu a função em sistema de suplência.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias