Envie seu vídeo(11) 97569-1373
segunda 26 de outubro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 25/10/2020
PMMC COVID VERDE
Reisinger Ferreira
PMMC OUT ROSA
Pmmc Sarampo Outubro
PMMC MULTI 2020

Secretário não vê possibilidade de morte por chikungunya em Suzano

17 DEZ 2015 - 07h00

O secretário-adjunto de Saúde, Romero Lima, afirmou ontem, que é “quase nula” a possibilidade de a morte de uma mulher, de 25 anos, na manhã de segunda-feira, no Pronto-Socorro (PS) de Suzano, ter sido por febre chikungunya.

Por hora, ele descarta a informação. De acordo com ele, os primeiros relatórios dão conta de que ela pode ter morrido com meningite ou dengue hemorrágica. No entanto, somente um exame detalhado no Instituto Adolfo Lutz poderá confirmar com “100% de certeza” as causas da morte.

O secretário-adjunto afirmou também que foi feita uma “varredura” na residência da vítima. Não foi encontrado larvas e nem mosquito Aedes aegypti. Suzano confirmou há pouco mais de um mês, um caso de chikungunya importado, ou seja, o paciente, que já está curado, adquiriu a doença após retornar de viagem do Nordeste.

MORTE SUSPEITA

O DS divulgou na edição de ontem uma morte suspeita de chikungunha porque um Boletim de Ocorrência (B.O.) foi registrado no Distrito Policial (DP) Central, assinado pelo delegado Cleverson Omena. No documento, o irmão da vítima disse que “os médicos do Pronto-Socorro (PS) informaram que a vítima poderia ter meningite ou ‘chikungunya’”.

Segundo o B.O., a mulher foi levada ao hospital na madrugada, do último domingo, com fortes dores pelo corpo, cefaleia, febre e enjoo. Já no período da tarde, internada, a mesma passou a apresentar várias manchas roxas pelo corpo e foi isolada com forte suspeita de meningite. Porém, o tratamento não surtiu efeito. Ela também tinha dificuldades para falar.

COMBATE À DENGUE

Suzano tem intensificado, durante todo o ano, ações de combate à dengue. Suzano comprou equipamentos de última geração para os trabalhos das equipes da Vigilância Epidemiológica. São dois nebulizadores veiculares (acoplados em pick-up) e quatro costais (tipo mochila). Todos com tecnologia UBV (Ultra Baixo Volume), que emite micro partículas em névoa, eliminando a fumaça.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias