Envie seu vídeo(11) 97569-1373
sábado 28 de novembro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 28/11/2020
ERICA ROMÃO
PMMC NOVEMBRO AZUL
GOLDSTAR
CENTRO MÉDICO CLUBE DS - TOPO
PMMC MULTI 2020 NOV

Só um terço dos estudantes assiste aulas online, estima sindicato dos professores

Sindicato dos Professores de Suzano também denunciou uma série de problemas encontrados nas ferramentas

Por Daniel Marques - de Suzano20 MAI 2020 - 22h35
Apeoesp de Suzano mostra as dificuldades de professores e estudantes no uso de aplicativos de educaçãoFoto: Arquivo/DS
De 35 alunos matriculados em uma sala do Ensino Fundamental II da rede estadual em Suzano, cerca de dez - um terço - têm se empenhado para assistir as aulas em aplicativos cedidos pelo governo do Estado. Relatos de professores indicam que, em boa parte das salas, a quantidade de alunos presentes é menor que isso.
 
Os professores denunciam uma série de problemas que estão enfrentando para dar aulas online aos alunos durante o período de pandemia. Segundo informações da subsede de Suzano do Sindicato dos Professores no Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), muitos alunos não têm acesso à internet ou conseguem baixar o aplicativo por limitações no celular, o que gera uma "desigualdade" e "prejuízo pedagógico".
 
"Muitos pais precisam se alimentar, e não vão priorizar o ensino a distância. Mesmo que algumas aulas sejam transmitidas pela TV Cultura, nem acesso à tv aberta alguns têm direito", conta a professora Barbara Soares de Barros, conselheira estadual da Apeoesp em Suzano.
 
Isso ocorre porque muitas crianças precisam acessar navegadores de internet, como o google, por exemplo, para realizar pesquisas sobre a matéria. Segundo Barbara, a forma como as aulas são dispostas na TV Cultura também prejudica os alunos, que não conseguem esclarecer dúvidas sobre a matéria.
 
"Tenho conversado com meus alunos, e alguns têm um celular para três ou quatro irmãos. Os que têm acesso, são dessa forma precária", revela a professora.
 
Além das queixas dos alunos, os professores reclamam do sistema de organização de aulas. Para eles, o Estado deveria "padronizar" as aulas. De acordo com a Apeoesp, as escolas ficaram livres para escolherem a melhor forma de organizar as aulas, o que tem dificultado a vida de professores que ministram em três ou quatro escolas.
 
"No primeiro momento, a rede estadual não organizou a ordem, deixaram para as escolas decidirem como achassem melhor. Isso causou tumulto, porque cada unidade organizou de um jeito e cada escola acessou de uma forma. Para cada unidade, a gente monta um sistema de aulas diferente", relata Barbara.
 
Muitos professores têm encontrado dificuldades para usar o aplicativo Centro de Mídias, do governo. De acordo com a Apeoesp, o Estado não os preparou para usar o aplicativo.
 
"Estamos trabalhando muito mais para montar essas aulas, porque ninguém tinha experiência neste formato. O período de formação foi insuficiente, e só agora estão surgindo algumas coisas que tentam ajudar o professor a entender a plataforma toda. A gente compreende o período de pandemia, mas não tivemos essa formação. Há muita dificuldade para aprender a ferramenta".
 
Há preocupação também com a imagem dos professores, que querem saber se o Estado dá respaldo para esses casos. 
 
"Não temos segurança nenhuma. A gente autoriza (nossa imagem) se quiser, mas não somos obrigados. Temos medo de falhas, por mais que tenhamos edições e tudo. Se (algo que falarmos) cair na rede, podem usar nossa imagem de alguma forma errada. Isso nos deixa inseguros", disse a conselheira.
 
"O prejuízo pedagógico é imenso. O que observamos é que a presença faz toda a diferença", finalizou Barbara.
 
Estado rebate críticas e vê ‘boas respostas’ de alunos
 
A Secretaria Estadual de Educação informou que os alunos que não estão acompanhando as aulas pelo Centro de Mídias (CMSP), podem estar usando a TV Cultura, que exibe as mesmas aulas do aplicativo durante a pandemia. 
 
O subsecretário de articulação da pasta, Henrique Pimentel Filho, rebateu as diversas críticas feitas pelo Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp) e disse que a associação já confrontou a secretaria na Justiça, referente às iniciativas que estão sendo feitas pela pasta, e que a Apeoesp perdeu o processo. Ele citou o nome da juíza do caso e o número do documento.
“Questionaram a Secretaria na Justiça, sobre as iniciativas, em termos de ensino mediado pela tecnologia neste período, e perderam. Estamos conseguindo dar boas respostas, e tivemos o respaldo legal”, afirmou o subsecretário.
 
Sobre a reclamação de internet insuficiente e a não liberação navegadores aos alunos, o representante da pasta reforçou que o Centro de Mídias funciona sem internet, e que as pesquisas no Google, por exemplo, fazem parte de um “processo de aprendizagem” do estudante. Disse que isso não ocorre em decorrência do aplicativo e que os alunos podem combinar com a direção da escola o uso de rede caso necessitem baixá-lo. Um material didático, incluindo livros, foi distribuído, e todos que receberam foram orientados a baixar o aplicativo na escola.
 
Com relação à queixa de padronização de aulas, Filho julgou como “incoerente”, já que cada estudante tem uma realidade diferente. “Fazer uma cartilha para o professor é algo que não cabe neste momento. Orientamos as escolas sobre organização. (Padronizar) vai limitar e prejudicar a qualidade do trabalho deles em aula”, justificou.
 
O subsecretário disse que os professores tiveram três dias para aprender a usar o aplicativo, e que eles têm uma série de tutoriais disponíveis que ensinam a usá-lo. Sobre a questão de imagem e som, Filho disse que os educadores assinaram termo autorizando a veiculação, que a pasta de Educação tem “respaldo legal” sobre isso e que os professores devem tomar cuidado com interações individuais, como no dia a dia.
 
“Estamos organizando o retorno já prevendo uma avaliação diagnostica, para mensurarmos habilidades que ficaram pelo caminho e organizarmos o programa de reforço e recuperação”, finalizou.
 

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias