Envie seu vídeo(11) 4745-6900
domingo 17 de outubro de 2021

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 17/10/2021
CENTRO MÉDICO CLUBE DS - TOPO
MAGAZINE CAZARINI

Suzanense escreve livro sobre a luta contra a dependência química

O hoje escritor e palestrante suzanense pede a construção de um centro terapêutico masculino e feminino na cidade

Por Thiago Caetano - de Suzano12 OUT 2021 - 17h00
Diego Perez escreveu o livro “E se fosse a última vez?”Foto: Isabela Oliveira/DS
O suzanense Diego Perez escreveu o livro “E se fosse a última vez?”, onde conta sua luta contra a dependência química. O hoje escritor e palestrante suzanense pede a construção de um centro terapêutico masculino e feminino em Suzano.
 
Hoje, Perez tem 35 anos e mora no Jardim Monte Cristo, em Suzano. Ele deixou a dependência química há 13 anos. O período de reabilitação serviu para colocar as ideias no lugar para contar sua história. Ele começou a escrever o livro no final do ano passado e terminou em 30 dias. “Quis deixar esse legado para que as pessoas pudessem ler um dia essa história de superação. Há 13 anos que abandonei o vício. Passei por um processo de reabilitação muito longo. O velho Diego ficou para trás. Tenho aprendido muito com o novo Diego”, disse Perez.
 
Sobre a clínica, a ideia é que ela ofereça tratamentos psicológicos, psiquiátricos e que haja um trabalho conjunto com a educação. “Tirar das drogas é o principal, mas oferecer ferramentas para estas pessoas batalharem lá fora também. Muitos dependentes não têm ensino fundamental. É preciso fazer algo além disso”, destacou.
 
Tudo começou aos 9 anos de idade por curiosidade. No início, a cerveja e o cigarro eram as preferências. Nas festas, sempre bebia um copo de cerveja e o hábito se estendeu para dentro de casa. Nos momentos de distração de seus pais, ele aproveitava e consumia álcool. Em ocasiões mais isoladas, ele fumava. “As pessoas não têm a visão de que álcool e cigarro são drogas, mas são nocivas para a saúde”, pontua.
 
Pouco tempo depois, aos 16 anos, ele passou a experimentar drogas mais ilícitas. Durante uma festa, ele e mais três amigos ficaram bastante embriagados. Em seguida, o grupo de amigos foi para um lugar mais afastado e fizeram o uso da cocaína. No mesmo dia, ele também experimentou a maconha pela primeira vez.
 
No entanto, ele afirma que os amigos não tiveram influência. “Tinha a escolha de dizer não. Mas eu quis. Foi o início do que poderia ter sido o fim, que é o subtítulo do meu livro. No meu caso, eu quis e sofri as consequências”, afirma.
 
A situação piorou com o tempo. Perez passou a usar crack e o resultado foi avassalador. Por conta do vício, ele chegou a dormir fora de casa. Ele cita que tinha vergonha de voltar para casa e conta que chegou a gastar R$ 2 mil nas duas noites.
 
“Não me tornei um morador em situação de rua, mas cheguei a passar duas noites na rua só para usar crack”.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias