Envie seu vídeo(11) 97569-1373
quinta 26 de novembro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 26/11/2020
PMMC MULTI 2020 NOV
CENTRO MÉDICO CLUBE DS - TOPO
Reisinger Ferreira
ERICA ROMÃO
PMMC NOVEMBRO AZUL

Suzano é a 9ª cidade onde se perde mais tempo no trajeto casa-trabalho

28 FEV 2016 - 08h01

Suzano é a 9ª cidade do Estado onde o trabalhador perde mais tempo no trajeto de ida e volta entre sua casa e o trabalho. Em média, são perdidos 139 minutos. A cidade superou municípios como São Paulo, em que o operário leva cerca de 134 minutos; Guarulhos, em que a média é de 128 minutos, e Campinas, que tem uma média de 117 minutos gastos pelo trabalhador.

O tempo de deslocamento dos suzanenses aumentou 2,21% em um ano, já que era de 136 minutos e passou para 139 minutos. Além disso, a pesquisa divulgada recentemente pelo Sistema Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan) calculou quanto a pessoa deixa de produzir no período em que está se deslocando para o trabalho. Somente no município suzanense, o prejuízo é de mais de R$ 295,34 milhões. O número é menor do que no ano anterior, quando o prejuízo chegava a R$ 295,37 milhões. Os dados são referentes aos anos de 2012 e 2011 e consideraram três regiões metropolitanas: São Paulo, Campinas e Baixada Santista.

O estudo aponta também que pelo menos 62,2 mil suzanenses gastam mais de 30 minutos para se deslocar ao trabalho. Isso demonstra que aproximadamente 22% da população está empregada em outros municípios. A facilidade para que isso aconteça pode ser atribuída às linhas de trem. Para se ter uma ideia, a estação de Suzano é a mais movimentada da região, com cerca de 31,5 mil passageiros por dia. O número de suzanenses que trabalham fora também aumentou, já que no ano anterior era de 58,5 mil. Um crescimento de 6%.

REGIÃO

No Alto Tietê, Ferraz de Vasconcelos é a cidade que o trabalhador perde mais tempo no deslocamento casa-trabalho. São 156 minutos. Com isso, a cidade é a 3ª do Estado. No município, o prejuízo é considerado inferior ao de em Suzano por ter um menor número de habitantes perdem este tempo no deslocamento - 55,9 mil pessoas. A perda estimada é de R$ 145,33 milhões.

Além de Ferraz, Itaquaquecetuba e Poá também estão à frente de Suzano no ranking. Os trabalhadores de Itaquá perdem em média 149 minutos no trajeto casa-trabalho, ocupando a quinta colocação do ranking; e os de Poá perdem em média 146 minutos, colocando a cidade na sétima posição do ranking.

Nos outros municípios o tempo gasto é menor. Em Salesópolis são perdidos 129 minutos. Em Biritiba Mirim, Arujá e Santa Isabel a estimativa é de um tempo médio de 124 minutos com os deslocamentos. Em Mogi das Cruzes, o trabalhador gasta 123 minutos e em Guararema, 117 minutos.

PESQUISA

A pesquisa "O Custo dos Deslocamentos nas Áreas Metropolitanas" aponta que os dados mostram a ausência de um planejamento urbano adequado, o que resulta em um forte desequilíbrio entre a ocupação habitacional nas áreas periféricas e a oferta de funções urbanas (emprego, educação, saúde, saneamento, lazer e serviços em geral) nas áreas centrais. O estudo mostra também que o impacto de longas viagens para trabalhar tem aumentado consideravelmente ao longo dos anos.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias