Envie seu vídeo(11) 97569-1373
segunda 09 de dezembro de 2019

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 07/12/2019
Evatânia Psicopedagoga
COLÉGIO PLENITUDE
Cidades

Suzano possui 4.026 domicílios em áreas sem abastecimento de água

Dados estão no Plano Municipal de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário (PMAE) da cidade

Por Daniel Marques - de Suzano23 NOV 2019 - 00h04
Suzano possui 4.026 domicílios em áreas sem abastecimento de águaFoto: Arquivo/DS
Suzano possui 4.026 domicílios em 16 áreas que não contam com abastecimento regular de água. Os dados estão no Plano Municipal de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário (PMAE) da cidade, apresentado no último dia 14 na Câmara Municipal. São consideradas irregulares aquelas áreas que estão no limite atendível da cidade e que não possuem fornecimento de água. Assim, o abastecimento é feito por meio de furtos na rede existente da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp).
 
Os dados apurados em 2019 mostram que, das 16 áreas irregulares, a do Portão do Honda II possui mais da metade do número de domicílios nessa situação. Ao todo, são 2.423 casas situadas nessa região.
 
A área do Jardim Brasil II vem em seguida na lista, com 218 domicílios. A região do Recreio Rio Bonito - Ramal Tanaka aparece na terceira colocação, com 186 residências na área que não possui abastecimento regular. A lista conta ainda com alguns bairros situados próximos ao Centro, como o Jardim Maite, que tem 181 casas na área irregular; o Parque Maria Helena, com 129; e até mesmo o Miguel Badra Baixo, bairro da zona Norte que conta com 110 domicílios nessa situação. O mesmo documento aponta que 96,3% dos domicílios que estão na área da Sabesp contam com abastecimento de água, enquanto 89,2% possuem coleta de esgoto.
 
Plano
 
Um dos objetivos do plano é estender a área de atendimento da Sabesp na cidade. A implantação depende da aprovação da Lei de Uso, Ocupação e Parcelamento do Solo (Luops), que vai ser votada na Câmara Municipal de Suzano, conforme a presidente da Câmara, Gerice Lione, explicou na edição de 15 de novembro do DS.
Consultada, a assessoria do Legislativo Municipal informou que o projeto recebeu três emendas substitutivas na sessão da semana passada. O projeto seria votado na quarta-feira, 13, mas, por conta das emendas, a lei voltou para a Comissão Permanente de Justiça e Redação para análise das emendas.
 
Ainda de acordo com a Câmara, não há uma data prevista para o retorno da pauta para votação.
Em entrevista após a apresentação, a diretora da Secretaria de Meio Ambiente e coordenadora do plano, Solange Wuo Franco, disse que o cronograma do plano depende de estudos e da regularização fundiária do município. "Quando conseguirmos avançar nos programas de regularização junto com a Sabesp, conseguiremos implantar saneamento nessas regiões", disse Solange, na ocasião.
 
A Prefeitura de Suzano, em nota, informou que a Luops não interfere na questão da regularização fundiária pela lei que cria o programa de Regularização Fundiária Urbana (Reurb), e que a primeira trata de novas construções e a segunda de lotes já existentes.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias