Envie seu vídeo(11) 97569-1373
terça 27 de outubro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 27/10/2020
PMMC MULTI 2020
Reisinger Ferreira
SOUZA ARAUJO
PMMC OUT ROSA
Pmmc Sarampo Outubro

‘Suzano precisa de prefeito com apoio político e que converse com a população’

05 JUN 2016 - 08h01

Professor da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPESP), mestre em ciências políticas pela Universidade de São Paulo (USP) e especialista em campanhas eleitorais, o cientista político Hilton Fernandes faz uma análise do cenário político regional e traça o perfil do melhor candidato a prefeito para resolver os problemas da cidade.

DS: O País está passando por uma grave crise econômica, política, impeachment e inúmeros escândalos de corrupção. A classe política está desacreditada. Isso dificulta o trabalho dos candidatos nestas eleições municipais?

Hilton Fernandes: Na verdade há um ponto positivo nisso tudo: a situação que o Brasil vive hoje atraiu os olhares da população para a política. As pessoas estão mais interessadas, debatem o assunto, participam, vão às ruas. E isso está acontecendo em todos os níveis sociais, o que é muito bom. As pessoas estão aprendendo a viver a democracia. Neste cenário, o candidato que tiver o diálogo aberto com a população, mostrar uma história limpa e transparência em suas ações sai na frente.

DS: Como escolher o melhor candidato?

Hilton Fernandes: O ideal é que seja um candidato que veja os problemas e necessidades da sua cidade de perto, que percorra os bairros, que abra espaço para o diálogo coma população. As pessoas querem ser ouvidas, atendidas, querem cobrar e ver resultados.

DS: Suzano vive uma situação atípica. Pela primeira vez poderá ter segundo turno e o atual prefeito já anunciou que não disputará as eleições. Ganha quem tiver mais apoio político?

Hilton Fernandes: Antes de mais nada, Suzano precisa de um candidato disposto a retomar o crescimento e resolver os problemas que ela apresenta. É preciso lembrar que a cidade, há pouco mais de uma década, era destaque no Alto Tietê, sucesso no esporte, na educação e na arrecadação de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias), o que traz uma série de benefícios para a população, como a geração de emprego, renda e desenvolvimento econômico. Isso se perdeu nos últimos anos, principalmente por problemas políticos e má administração local. Hoje temos um prefeito mal avaliado e um ex-prefeito que está com os seus direitos políticos suspensos, portanto não pode se filiar a nenhum partido político, se candidatar e nem votar.

Certamente o candidato que souber agregar, tiver aliados de peso, experiência administrativa e dialogar com a população terá mais chances de vencer as eleições. O ex-prefeito (e atual deputado estadual) Estevam Galvão é um aliado de peso e certamente sua participação neste processo terá grande influência no resultado final.

DS: A crise econômica prejudicou o prefeito? Contribuiu para a má avaliação que o senhor citou?

Hilton Fernandes: Prejudicou, mas não foi só isso. Outras cidades também sofreram muito com a crise econômica e têm prefeitos muito bem avaliados pela opinião pública. O atual prefeito já assumiu a cidade com inúmeros problemas financeiros. Associado à crise recente, fica quase impossível sair do buraco.

Por isso, volto a dizer, Suzano não tem mais tempo para perder. Se o próximo prefeito não agregar forças para administrar a cidade, Suzano não vai conseguir sair desta situação que está hoje. O candidato precisa ter um perfil agregador, ser próximo do povo.

DS: Seguindo essa avaliação, Suzano terá segundo turno?

Hilton Fernandes: Acredito que sim. Com a ausência do atual prefeito e a indisponibilidade do prefeito anterior, a tendência é que muitos candidatos sejam lançados, dispersando os votos e levando a decisão para o segundo turno eleitoral.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias