Envie seu vídeo(11) 97569-1373
quarta 30 de setembro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 30/09/2020
Pmmc Sarampo
SOUZA ARAUJO
ÚNICCO POÁ
CENTRO MÉDICO CLUBE DS - TOPO

Suzano tem queda de 58,54% em confirmações de casos de hepatite C

12 JUL 2016 - 08h00

Suzano teve uma queda de mais da metade dos casos de hepatite C, em comparação ao primeiro semestre de 2015 e 2016. De janeiro a julho do ano passado, as ocorrências registradas no município foram de 41. Os dados do mesmo período deste ano totalizaram 17, uma redução de 58,54%. Em todo o ano passado, a cidade notificou 97 casos de hepatite.

A Secretaria de Saúde informou que todas as Unidades Básicas de Saúde (UBSs) realizam testes rápidos da doença, mas é necessário agendar o exame antecipadamente.

Entre os dias 25 e 29 deste mês, a pasta de saúde vai realizar uma campanha de combate a doença. Haverá mutirão rápido para o diagnóstico. Ele estará disponível em todas as unidades de saúde. Segundo a Prefeitura, o suzanense pode obter mais informações por meio do telefone 4741-2537.

REGIÃO

Também houve redução dos casos de hepatite em outras duas cidades: Mogi das Cruzes e Guararema. Segundo a pasta de saúde mogiana, o município registrou no ano passado 52 casos. Em contrapartida, o primeiro quadrimestre deste ano computou apenas uma ocorrência da doença. Já em Guararema, os casos caíram de 20 para seis, em relação a 2015 e 2016.

DOENÇA

A hepatite tem cinco variações indo da A até a E. Nas três primeiras, a transmissão é causada por diferentes motivos. Na hepatite A, a pessoa pode contraí-la por meio da ingestão de alimentos ou água contaminada por matérias fecais contendo o vírus.

Já a hepatite B, a pessoa contrai pelo sangue e outros líquidos ou secreções corporais. Neste caso, a transmissão pode ocorrer em situações do dia-a-dia, como, por exemplo, no compartilhamento de alicates de unha. E, por fim, a hepatite C é transmitida por relação sexual com pessoas infectadas, seringas contaminadas, material médico mal esterilizado e transfusão de sangue. Esta variação da doença começa a manifestar-se apenas 20 ou 40 anos depois do contágio, quando já está em estágio avançado.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias