Envie seu vídeo(11) 97569-1373
segunda 21 de setembro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 20/09/2020
CENTRO MÉDICO CLUBE DS - TOPO
PMMC COVID SAÚDE

Ai que frio!

11 JUN 2016 - 08h00

suami-cor_Não teve jeito. Ao sentir esse frio louco me atacando, fiquei meio nervoso.

Caramba, gente, nasci no inverno no Sul do Brasil, numa manhã de geada, “geladésima”, como dizia minha mãe. Já não foi suficiente? Preciso de mais?

Entendo que não. Morei mais de cinco anos na Europa. Já estava de bom tamanho, não é mesmo? Uma vez fiz os cálculos matemáticos, para ninguém me contestar sem razão. Vejam bem, se na Europa metade do ano é frio, isso equivale a seis meses. Se multiplicar seis meses por cinco anos, chegamos a um total de trinta meses. Olha só o que já sofri.

Pois bem, é um raciocínio de matemática pura. Vamos lá. Se os dias de inverno no Brasil, especialmente aqui em São Paulo não costumam ultrapassar as duas ou três semanas por ano, o que já havia passado na Europa me dava um bom saldo. Pensem bem, trinta meses vezes trinta dias me dá um total de, pelo menos, novecentos dias de frio que já passei. Se dividirmos os novecentos dias passados por três semanas, ou melhor, por vinte dias, teríamos um total de quarenta e cinco anos nessa conta.

Então, não está claro, tenho mesmo um saldo. Voltei ao Brasil em 1977. São trinta e nove anos. Portanto, quarenta e cinco menos trinta e nove, chegamos a um saldo de seis anos, assim, é a natureza que me deve uns tantos dias quentes.

E vejam com atenção, para que ninguém pense que estou sendo injusto, tivemos muitos dias frios no computo geral dos invernos brasileiros nesses anos todos desde 1977.

Portanto, cheguemos a conclusão: eu, coitadinho de mim, não mereço mais nenhum dia frio. Senão é castigo, gente. E juro que não mereço.

E olha que tenho histórias. Certa vez, comprei um Sinca Chambor para dar um giro pela Europa. Era inverno. Na Alemanha foi mais difícil, peguei os seus vinte graus negativos, os abaixo de Zero graus. Muito triste. Tenho uma foto da minha namorada chorando de frio em Amsterdam. Era “só” dez graus negativos.

E aí está chegando o Dia dos Namorados. Coisa legal, pra gente comemorar. E eu aqui morrendo de frio. Não é justo, sinceramente.

Acabei de escrever um poema para a minha namorada. Vou deixar escapar aqui, porque hoje é mesmo véspera. Chama-se: “Juntos”.

“tão jovem me escolhi o caminho/ que hoje ante as consequências/ vejo ser o mesmo deste que ainda faço//

“tão jovem o que lhe fez seguir comigo/ na mesma direção?/ o que nos faz ainda caminharmos juntos?//

“seguimos nos dando as mãos/ você me garante o seus braços/ no seu chão repasso todos os meus versos”.

Quem concorda comigo dessa injustiça levanta a mão!

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias