Envie seu vídeo(11) 97569-1373
quarta 02 de dezembro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 02/12/2020
Sec de Governo - Educação Kit de Atividades 02 - Dezembro
Sec de Governo - Educação Kit de Atividades - Dezembro

Ainda temos que evoluir...

19 ABR 2016 - 08h00

lorena-burger-jurada-do-c-de-cronica-frrNo domingo pudemos perceber com muita clareza que estamos mal representados nas Câmaras, não importa se municipal, estadual ou federal.

As manifestações desses políticos profissionais, que não buscam se aperfeiçoar no linguajar e nos estudos, que somente se aperfeiçoam na maneira de receber e usufruir os benefícios que o cargo concede, tornaram a votação que se realizou durante todo o domingo na Câmara Federal numa situação bastante cômica, apesar da seriedade e da sobriedade que deveria revestir toda essa votação, pelo seu simbolismo e pelo que se espera do resultado final.

Acusações, dedo em riste, cusparada, vaias, xingamentos não deveriam fazer parte de maneira nenhuma desse ato.

A votação se iniciou no período da tarde e se prolongou até por volta de onze horas da noite e, certamente poderia ter sido mais rápida, mais eficiente e abreviada, se cumpridas as formalidades, as respostas tivessem sido mais objetivas e espontâneas, sem incluir no voto os nomes de familiares, vivos, falecidos e que ainda estão sendo gerados, sem as agressões verbais, sem tantas explicações que de fato somente tinham a finalidade de garantir votos nas próximas eleições, pois, acostumados que estão com essa "profissão" de político, precisam estar certos que não serão desalojados de seus cargos e de seus ganhos.

As roupas caras, os cabelos com bons cortes não impediram o baixo nível da votação.

Incluir a família, ou votar por ela, ou pelos correligionários, pelo partido, pelas igrejas ou por que alegação fosse, no intuito de lustrar ou de justificar, só serviram para tornar o Plenário da Câmara num aparente grande circo ou a se assemelhar a algum programa de auditório de nível mediano, daqueles que a audiência é garantida pelas palhaçadas que acontecem.

Poucos foram os parlamentares que fizeram seu voto com dignidade e simplicidade, muitos votaram pensando mesmo nos cargos que podem vir a ocupar no governo do vencedor.

O fato que mais incomoda é que a transmissão ao vivo para os milhões de brasileiros e com acesso para que pessoas de outros países e em outros países pudessem ver e nos julgar pelo que ali estava sendo demonstrado.

Anos passados um jogador de futebol disse que nós brasileiros deveríamos aprender a votar e, dizia isso porque sabemos reclamar e culpar terceiros por nossas responsabilidades, mas, não nos preocupamos quando elegemos nossos representantes, muitas vezes "vendendo" nosso voto por quinquilharias que já terão sido esquecidas pelo eleito, que nem lembrará mais que está lá graças ao nosso voto e, passará a fazer tudo de acordo com seus interesses pessoais.

Para que tenhamos melhores representantes, temos que inicialmente aprender a melhor analisar e votar em quem nos dignifica.

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias