Envie seu vídeo(11) 97569-1373
sexta 30 de outubro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 30/10/2020
Pms Coronavírus - Fase Verde
Pmmc Sarampo Outubro
PMMC OUT ROSA
PMMC MULTI 2020
CENTRO MÉDICO CLUBE DS - TOPO

Balanço Anual e a relevante Questão Ambiental

30 DEZ 2015 - 07h00

eduardo caldas corNeste prenúncio de ano, faço como de costume um balanço do ano que se finda. Gostaria de ressaltar a questão ambiental. O fato é que esta questão é central e tanto a ciência e a política quanto a religião, devem unir-se para refletir e propor formas de reduzir os danos da ação do homem sobre a própria humanidade.

Em 24 de maio, o Papa Francisco publicou uma Encíclica chamada "Laudato si - sobre o cuidado da casa comum". A Encíclica é um Manifesto social e ambiental em que Francisco denuncia o estilo de vida consumista e o capitalismo como ditadura sutil e conclama a humanidade a repensar sua responsabilidade diante da Criação.

Mais no final do ano, foi realizada a 21ª COP - Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima.A COP é o órgão mais importante da Convenção do Clima que foi assinado na Rio-92 e ocorre desde 1995. Em 1997, na 3ª COP foi assinado o Protocolo de Kyoto, que estabeleceu metas de redução para gases de efeito estufa para os países desenvolvidos. Naquela ocasião, Japão, Estados Unidos e União Europeia assumiram, respectivamente, reduções de 6%, 7% e 8%, em relação às emissões de 1990. Entretanto, os Estados Unidos não ratificaram o acordo, cuja entrada em vigor estava condicionada à ratificação de 55 países que somassem 55% das emissões globais, o que só aconteceuem 2005. Ao final da 21ª COP, agora, em 2015, em Paris, o Observatório do Clima considerou a reunião "um fato histórico, já que pela primeira vez todos os países negociadores concordaram em agir nessa área, de modo a reduzir a temperatura do planeta até para menos de 1,5 grau Celsius". A 21ª COP também aprovou destinar US$ 100 bilhões anuais para ajudar os países mais pobres a mitigar efeitos de eventos desastrosos com o clima e, a cada cinco anos, avaliar o resultado das políticas discutidas em Paris. Apesar disso, a conferência decidiu não incluir entre os objetivos do acordo o cumprimento de metas fixas de redução de poluentes. Eu acho pouco, mas dizem que foi o possível.

No âmbito local, fico a pensar qual seria a agenda ambiental municipal para 2016, ano de eleição para prefeito e vereadores.

Para a redução das emissões de gases de efeito estufa, imagino importante a produção de um "inventário" de emissões para a cidade e quiçá para a região por meio do Consórcio Intermunicipal. Isso criaria as condições mais objetivas para a instalação de um comitê e a construção de uma política municipal e regional para as referidas reduções. Mesmo sem o inventário é possível imaginar que as emissões em Suzano decorrem principalmente do uso de combustível fóssil para o transporte público e privado e da produção de resíduos sólidos.

No caso do transporte, é prioritária a efetivação de um sistema integrado de transporte público mais eficaz, com faixas exclusivas para ônibus, ciclovias e inspeção veicular tanto para veículos públicos quanto privados. Quanto aos resíduos sólidos, é fundamental finalizar a Lei que estabelece o Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos; aplicar de forma radical os 3R - redução, reuso e reciclagem de produtos - para reduzir a quantidade de resíduos gerados; separar urgentemente os resíduos orgânicos dos outros e com isso produzir composto orgânico para a agricultura urbana; contribuir com a organização dos catadores e remunerá-los pela prestação do serviço. Também é importante uma política municipal de arborização e valorização de praças e parques, como pequenos oásis na cidade cada vez mais cinza. Não pode ficar fora da agenda, o tema das águas e dos rios, com iniciativas que recuperem nascentes, criem parques lineares para conciliar lazer e produção de água, pagamento de serviços ambientais, saneamento básico e agricultura orgânica. Finalmente, é importante discutir algo sempre polêmico mas fundamental: o Plano Diretor que define a forma de ocupação do território de Suzano.

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias