Envie seu vídeo(11) 97569-1373
sexta 27 de novembro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 26/11/2020
PMMC NOVEMBRO AZUL
PMMC MULTI 2020 NOV
CENTRO MÉDICO CLUBE DS - TOPO

Buscar

16 JAN 2016 - 07h00

suami-cor_Bom, o Novo Ano está aí, na prática.

Sou daqueles que entendem que não temos de ficar por aí esperando que as coisas aconteçam. Comecei o ano lembrando de uns poemas. Eles trazem luz às minhas mãos. E também, para aqueles que creem, nossos caminhos podem ser iluminados, se mostrarmos algum empenho.

De algum modo as palavras nos animam. Especialmente as positivas nos elevam. E se elas estão clareadas pela música da Poesia, podem nos encantar. E precisamos. Lembrei de alguns versos destes últimos anos:

“hei sempre de buscar/ se caminho é o destino/ não importa correr/ seguir havemos sempre/ /parar/ ou desistir/ jamais”

Sim, os dias passam e os caminhos surgem, e, como ensinava belamente o poeta espanhol António Machado, o destino é caminhar.

Mais um ano. Fico feliz. Mais um caminho. Ainda posso tentar percorrer. Se há pedras? São possibilidades da vida. Temos de enfrentar o caminho e ir atrás das suas possibilidades. Será que todos nós olhamos para a frente na tentativa de vislumbrar alguma luz? Ou criar essas possibilidades. Sempre podemos pensar no objetivo buscado, na luz que miramos lá adiante.

Aprendemos na vida, com a ciência ou não, que somos humanos porque juntos vivemos. Como nos propormos ao novo ano sem o encontro? Que, como já disse em versos, em 2009, deve ser festa: “festa é o dia do encontro/ encontro é o partilhar da vida/ vida é a alegria de junto estar/ estar é somar e repartir o ser/ ser é o permanente nos construir/ construir é criar sempre a festa/ festa é este dia do encontro”

Todo ano é especial. Para mim como para você, leitor. Para todos nós. Sempre temos condições de criar, eis a nossa grande capacidade de humanos, a criatividade. Precisamos abrir essas possibilidades. Sempre peço aos demais, como peço a mim mesmo, o instante de abrirmos espaço a construção, operários que somos, sempre querendo saber mais, eternos aprendizes. Há sempre tanto por fazer. Temos de tentar. Olhemos a frente. Há uma luz a indicar. Há que identificar. Buscar, construir, festejar, caminhar.

Por que não seguirmos ainda com mais uns versos, um poema? “Brumas”: “saber é tão lento/ mas todos os dias agradeço/ cada nova oportunidade de aprender/ como um professor também/ vai aprendendo devagar a ser mestre/ um aluno leva seu tempo a descobrir/ ouvir e ver e entender o ensinado/ levei meu tempo mas aprendi/ que se a noite foi escura/ e se a manhã se desperta em brumas podemos ter certeza de que o sol vai brilhar/ forte e cheio de calor em nossa vida”

Em frente! Enfrente!

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias