Envie seu vídeo(11) 97569-1373
terça 29 de setembro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 29/09/2020
Pmmc Sarampo
CENTRO MÉDICO CLUBE DS - TOPO
ÚNICCO POÁ
PMMC COVID SAÚDE
SOUZA ARAUJO

Fogo cruzado no Congresso

29 ABR 2016 - 08h00

carmineA maioria dos Deputados, que estava no Congresso Nacional, no domingo passado, votou a favor do impeachment da Presidente Dilma. Não está ao meu alcance, fazer uma análise conjuntural, sobre o momento político atual. Dom Pedro Luiz, Bispo diocesano, ao voltar de Aparecida, onde aconteceu a Assembleia Nacional da CNBB

(Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), convocou os representantes de todas as paróquias, para que tomassem conhecimento dos assuntos tratados na Assembleia. Todos receberam a Carta, com a Declaração dos Bispos sobre o Momento Nacional. Resumirei nesta coluna, na próxima semana, o conteúdo da Declaração. O que assistimos na noite do Domingo passado, no Congresso Nacional, foi no mínimo, questionável. Não se questiona o ato de votar a favor ou contra o impeachment, mas o linguajar dos deputados, tão esquisito, que o Congresso se parecia com uma plateia de gente exaltada. O antagonismo, entre governistas e oposicionistas, deformou todo o sentido de patriotismo, que deveria motivar a todos, para lutarem pelo mesmo ideal.

Os Deputados falavam com orgulho sem igual, trazendo em suas declarações, palavras prontas, causando um fogo cruzado de tamanha erupção que chegava a provocar, quase um inferno nuclear. As antigas alianças políticas com o governo estavam ameaçadas, frustradas, rompidas e envenenadas pelas ideologias partidárias.

Os Deputados, com retórica ostensiva, berravam, gritavam num cansativo e repetitivo ensaio de louvor a Deus, ao Estado e aos Municípios que os elegeram, à família, aos filhos, netos, bisnetos, tios e avós. A bandeira do Brasil, como a do PT (Partido dos Trabalhadores) estavam penduradas nos ombros dos Deputados, como sinal de pertença não à Pátria, mas ao partido, eram usadas por fins políticos. A vitória dos brasileiros, virá somente quando o País voltar a crescer. É verdade, que o Brasil parou de ser classificado entre os países de Terceiro Mundo, cadavérico de fome, deformado pela miséria. É um país emergente, com melhores índices na educação, na alimentação e na moradia, porém, continua banhado pelo sangue, pela violência, pelas mortes nas estradas e nos corredores dos Prontos-Socorros. De onde virá a esperança de mudança? Do povo conscientizado, politizado, que nas próximas eleições estará escolhendo novos candidatos! O povo vai amadurecendo lentamente. No túnel escuro, no qual encontra-se o país nos dias atuais, os brasileiros buscam a luz.

A fúria das denúncias de corrupção afeta deputados, senadores, governantes, prefeitos, empresários e agentes públicos, que correm o risco de serem queimados em plena fogueira, pelos juízes do Paraná. A turbulência política e econômica, machuca a Nação, pesa por demais sobre o povo brasileiro e ultrapassa os limites, quando os escândalos afetam as Instituições públicas e privadas. O povo paga pelo amargo veneno da inflação, porém, não deixa de sonhar com um Brasil melhor. Não será o confronto acirrado e violento entre Governo e oposicionistas, entre Movimentos Populares e Sociais e a maioria da população que levará o povo a um futuro novo, mas a união de todos em torno de projetos que permitirão ao Brasil de avançar nas políticas públicas. Os escândalos de corrupção, assolam vários partidos, pois continuam sendo devastadoras as delações premiadas. O Brasil não está em chamas, mas apenas alguns de seus representantes corruptos. Existe com certeza, a vitória da linda democracia, ainda jovem, porém com o coração ferido.

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias