Envie seu vídeo(11) 97569-1373
Sintonize nossa Rádio101.5 FMClique e ouça ao vivo
Quarta 13 de Dezembro de 2017

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 13/12/2017
mrv

Os pais, quem são eles?

07 AGO 2015 - 08h00
A resposta é óbvia: são pai e mãe que geram, por amor à vida, novas vidas.

Evidentemente o que encaramos de frente e com imensa dor é a diminuição dos filhos.

É verdade que há filhos de sobra nas classes menos favorecidas. De fato, encontramos nos bairros tantas crianças soltas nas ruas ou nas praças, brincando com pipas, feitas na maioria das vezes, com a proibida linha chilena cortante que causa acidentes e tragédias. Foi o que mostrou a TV Diário, filmando no Parque Max Feffer de Suzano, uma criança com um corte no pescoço, sangrando e o pai apontava a falta de segurança e fiscalização.

Nas famílias de classe média, porém, o crescimento da nova geração, anda lentamente.

Que alegria quando o pai e a mãe geram mais de um filho. Ao recolher em seus braços as criancinhas, o rosto deles dispara sorrisos em todas as direções.

O colinho que os pais oferecerão aos pequenos trará mais alegria ao seu coração.

Com certeza, hoje, nenhum casal teimará em alcançar a medida transbordante de Dona Maria Aparecida, que mora em Suzano e que gerou 19 filhos, todos vivos, entrando no ranking das mulheres com mais partos. Também vai entrar no ranking das mulheres com mais idade, Dona Matilde, que no final de agosto completará 105 anos, recebendo uma grande festa pelo aniversário, raríssimo de ser alcançado, com uma Missa de Ação de Graças na Matriz de São Sebastião.

Como é bom, quando a lembrança do pai e da mãe é guardada no coração de mais filhos. Como é bom no Dia das Mães e no dia dos Pais, estreitar no peito, as vidas que foram geradas. Neste domingo, por ser o Dia dos Pais, tão real será a lembrança do pai, que caberia a cada um dos filhos, ir ansiosamente ao encontro do pai e abraça-lo, com o peito cheio de saudade.

Antes de qualquer coisa, é necessário estar presente ao seu lado, sem jamais perder a ternura de filho, recordando com alegria os passos dados com ele ao longo da vida.

As crianças têm mais jeito em homenagear seus pais. Pelo menos isso acontece, quando uma criança tem um pai e uma mãe. Porém, o que dizer de uma criança cujo pai já é falecido? Lembrará da promessa de Jesus, que no céu a festa será mais bonita? E o que dizer de uma criança cujo pai sumiu? Neste caso o espinho do abandono será mais doloroso. E o que dizer de uma criança que tem dois homens como pais? Será que ela conseguirá homenagear a dois pais?

Ainda não encontrei crianças vivendo nessa última situação, a não ser nas novelas, onde o brinde ao amor de dois homens ou de duas mulheres, sobretudo se idosos, não agrada aos telespectadores.

Que neste domingo, seja dada a todos os pais a oportunidade de viver a mais digna alegria, mesmo frente ao autoritarismo, ao alcoolismo, ao tradicionalismo de alguns deles. Como é belo, viver a linda aventura de ser pai, quando os filhos são recém-nascidos ou ainda pequeninhos. Porém, quando as crianças chegam à adolescência e ficam reclamando ou tiram os pais do sério, muda a postura dos pais. Alguns deles, ou a maioria, mal se entendem com os filhos, ficando as duas partes sem vontade de se abraçar. Porém, neste domingo os olhares dos pais e dos filhos não podem ficar distantes, vale mais abrir os braços e trocar lindos abraços.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias