Envie seu vídeo(11) 97569-1373
Sintonize nossa Rádio101.5 FMClique e ouça ao vivo
Sábado 25 de Novembro de 2017

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 25/11/2017
mrv

Quem pensa muito, geralmente faz pouco

13 MAI 2015 - 08h00

Era uma vez uma colônia de ratos que vivia com medo de um gato. Depois de muitos anos de sofrimento, foi marcada uma assembleia para se encontrar um jeito de acabar com aquele transtorno. Muitos planos foram discutidos e rejeitados. No fim, um jovem e esperto rato levantou-se e deu uma excelente ideia; a de pendurar uma sineta no pescoço do gato. Assim, sempre que ele estivesse por perto eles ouviriam o barulho do sino e poderiam fugir. Com isso, vidas seriam salvas. Todos os ratos bateram palmas; o problema estava, finalmente, resolvido. Vendo aquilo, um velho rato, que tinha ficado o tempo todo calado em seu canto, ergueu uma das mãos. O ancião falou que o plano era deveras inteligente e ousado, que, com toda a certeza, as preocupações deles tinham chegado ao fim. Só faltava uma pendência: quem iria pendurar a sineta no pescoço do gato? O amigo leitor deve conhecer alguém que se propôs a iniciar regime alimentar na segunda feira; traçou planos e estratégias, mas os dias se passaram e nenhum passo efetivo foi dado. E aquele sonho que você almejava realizar, mas sequer chegou a tentar! Jesus Cristo falou acerca disso uma vez para multidão de pretensos fiéis: "Porque dizem e não fazem". Existem apenas dois mundos: o do pensar e o do agir. O músico Ronam Bartowski escreveu: "Pessoas sábias não pensam em agir, agem pensando..." É extremamente importante refletir, sonhar, planejar metas, prever as dificuldades e etc, mas muito mais importante é colocar a mão na massa. Aprenda que você não precisa se sentir completamente seguro ou motivado para dar início a algum projeto. O segredo não é esse! Geralmente, aprendemos com a realização. É com o suor que nos inspiramos; não adianta gastar neurônios e não levantar da cadeira da sala. Na verdade, o excesso de pensamento é prejudicial, pois freia o ímpeto da ação. O professor Yuri Cavalcanti disse certa vez que "às vezes agir por impulso pode não ser bom, mas pode ser pior não agir por pensar de mais"

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias