Envie seu vídeo(11) 97569-1373
quinta 29 de outubro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 29/10/2020
CENTRO MÉDICO CLUBE DS - TOPO
PMMC COVID VERDE
PMMC OUT ROSA
Pmmc Sarampo Outubro
PMMC MULTI 2020

Susumo

12 DEZ 2015 - 07h00

suami-cor_Esses dias encontrei com uma amigo que não via há tempos. Era o respeitado Artista Plástico Susumo Harada. Passou-me uns textos que havia publicado.

Interessante o livro, adulto, "A Praxis da Tortura na Utopia Poética", bilíngue, português-inglês, sobre o que passaram as mulheres, da Idade Média a hoje, levadas a usar cintos de castidade e outros, que não passam de tortura, em alegadas proteções da fidelidade impositiva. Susumo sempre foi um provocador.

Outro, bem interessante também, que chama a atenção é o "Pequeno Ensaio do Peabiru", pesquisa histórica. Refere-se a percurso, ainda existente, cortando o estado de São Paulo, vindo desde o Peru ("Peabiru", na linguagem ancestral dos Incas). Percurso desde as montanhas andinas até chegar ao Oceano Atlântico. Susumo destaca a região da antiga Itaqui (Itapevi). Coisas bem anteriores a descoberta da América, antes de Cristo. Hoje sabemos que, além da teoria que reconhece os primeiros povos chegados a América vindos da Ásia, pelo estreito de Behing, penetrando o Alasca e descendo até a Patagônia, temos a teoria da chegada de povos da África, ao território do atual Brasil. Acrescente-se, ainda, que não se descarta a teoria da chegada de polinéseos, pelo Pácifico Sul, ao Chile, registros demonstram essa possibilidade.

Essa trilha vinda do Peabiru, como repete Susumo, já foi citada por muitos historiadores. E Sussumo foi confirmar presente e pessoalmente. Como diz o historiador Marcus Claudio Acquaviva, em seu livro "Lendas e Tradições das Américas", citando Batista Pereira: "O peabiru, uma picada de duzentas léguas, que com duas varas de largura (1 vara, 80 centimetros), ia do litoral até Assunção do Paraguai. Passando por São Paulo, pela várzea da cidade e bifurcando-se no rumo das futuras Itu e Sorocaba". Esse caminho era desbravado, e cavado, e logo coberto por uma gramínea "que se propagava com muita facilidade e ao cobrir o solo, impedia o crescimento de árvores e ervas daninhas" (Acquaviva).

Vários historiadores citam também o livro do alemão Ulrico Schimbel, também lembrado por Sussumo, que em 1553, veio da região do Paraguai até São Vicente, em percurso de seis meses, retornando a Europa, percorrendo toda a trilha do Peabiru.

Susumo Harada, mostra muitas e significativas leituras, fundamentando o que nos traz. Um livro bastante interessante, com desenhos, antigos e recentes, e fotos do percurso. Merece os parabéns por nos trazer pontos esquecidos, relegados no tempo. Obrigado, amigo.

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias