Envie seu vídeo(11) 97569-1373
Sintonize nossa Rádio101.5 FMClique e ouça ao vivo
Quinta 23 de Novembro de 2017

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 23/11/2017
mrv

Uma mãe que não desistiu

10 MAI 2015 - 08h00

A maternidade é bênção de Deus. As mães são fortes, guerreiras, não desistem nunca. Acompanhei de perto uma mãe que ficava muito preocupada com o futuro dos filhos. Eles estavam na adolescência e davam muito trabalho. Ela era uma cristã carinhosa, amável, acolhedora, que dava suporte para os jovens que chegavam de outros estados para estudarem na universidade. Uma mãe para todos. Muito querida! Aquele tipo de pessoa difícil de se encontrar! Presenciei, algumas vezes, essa mãe chorando, por causa dos filhos. Houve uma época em que tudo parecia nebuloso e perdido. Mas ela era uma mulher de oração. Ela chorava, mas orava. Não desistia dos filhos. E Deus foi fazendo os milagres. Eles se tornaram pessoas de bem, conseguiram bons trabalhos, um deles se tornou empresário, casaram-se com boas pessoas, prosperaram na vida profissional e financeira. Ela continua orando para que todos tenham uma experiência pessoal com Jesus Cristo. Só falta um. Contei essa história verídica para encorajar muitas mães que sofrem por seus filhos.

Quero resgatar a história de uma mãe da Bíblia,que não desistiu do filho, mesmo enfrentando dias muito difíceis. Joquebede era o nome dela. Havia uma sentença de morte lançada sobre os meninos hebreus, pois esses garantiriam a descendência do povo no Egito. Faraó decretou que as parteiras deveriam matar os meninos hebreus por ocasião do parto. Mas, mesmo diante dessa ordem, as parteiras temeram a Deus e não obedeceram a Faraó. Vivendo momentos de tanta tensão, Joquebede poderia ter concluído que não era para ela dar à luz, uma vez que todas as portas estavam fechadas. Mas ela confiou na providência do Senhor. Se Deus havia permitido que ela engravidasse, Ele daria o escape para a situação. Joquebede teve seu filho e, quando não pôde mais escondê-lo dos egípcios, visto que estava crescendo, preparou um cesto feito de junco, o qual vedou com piche e betume, colocou dentro dele o menino, deixando o cesto à margem do rio Nilo. De longe, ficou a irmã, observando o que aconteceria. A filha de Faraó foi-se banhar no rio, e as suas acompanhantes viram o cesto. Ao abrir o cesto, a princesa viu que o menino chorava. Teve compaixão dele, mesmo reconhecendo que era filho dos hebreus. Agilmente, a irmã do menino apareceu, oferecendo de pronto uma solução - "Queres que eu vá chamar uma das hebreias para que te sirva de ama e te crie a criança?" (Êxodo 2.1-10) A filha de Faraó aceitou a proposta e, assim, Joquebede, a própria mãe do menino pôde criá-lo; inclusive, recebendo um salário por isso. Joquebede criou, orientou, passou para o menino tudo aquilo que estava em seu coração de mãe - a fé, a confiança no Deus Altíssimo, o sonho de liberdade, o seu culto a Deus, os seus sentimentos, os valores espirituais e morais. Depois de ter recebido todo esse tesouro da mãe, Moisés foi levado à filha de Faraó, para que, a partir dali, Deus completasse o propósito na vida dele, forjando-o como o grande líder e libertador do povo hebreu.

Como mães vivenciamos grandes alegrias, mas também momentos muito difíceis. No entanto, quando entregamos nossos filhos aos cuidados do Senhor, podemos ter a certeza de que Deus vai cumprir os Seus propósitos em suas vidas. Não desista de seus filhos. Ore por eles. Deus vai responder com milagres!

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias