Envie seu vídeo(11) 97569-1373
sábado 07 de dezembro de 2019

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 06/12/2019
COLÉGIO PLENITUDE
COLEGIO CETES 15/10 A 15/01/20
CENTRO ONCOLÓGICO
Comercial Esperança
CENTERPLEX 05/12 A 11/12
COLUNA

Suami Paula de Azevedo

É escritor, responsável pela Mirambava Editora, palestrante e professor universitário. E-mail: suamiazevedo@uol.com.br

Educação a ser marcada

27 SET 2019 - 23h59
Estava pensando na Festa do Baruel, Setembro, a mais antiga de nossa Cidade, e fui lembrando do tanto que já pude desvendar e divulgar, especialmente para a nossa gente. Uma daquelas formas de agradecer toda a atenção e respeito, que me chega como carinho, já recebido de todo o nosso pessoal.
Lembro encontro bem agradável, a coisa de uns trinta anos, com o Desembargador Nelson Pinheiro Franco. Ele carinhosamente me recebeu e me trouxe dados da nossa História Local. Ele como descendente de Fundador da nossa Suzano, Francisco Pinheiro Fróis (assim que ele redigia o nome familiar), proprietário das Fazendas Revista e Boa Vista (locais dos nossos bairros de mesmos nomes). E me trouxe a informação que a sua família estava instalada na região do Guaió (nossa Suzano), havia trezentos anos. Como já havia publicado a reprodução de um documento de sesmaria dada a um certo “Rodrigues”, em 10 de Dezembro de 1609, ele me surpreendeu com a informação de que havia em sua Fam&i acute;lia o mesmo nome. Seria o mesmo proprietário? Por que não levantar a questão?
Já tentei esclarecer alguns que tentam vincular o nome Baruel a um padre do século XVII que esteve pelo local. Na verdade, o que se comprova é mesmo a referência ao rico proprietário, Antonio Francisco Baruel, já no século XVIII. Ele se destacava enormemente, Dormia em cama, enquanto todos dormiam em rede. Ele usava talher para comer, enquanto todos comiam com as mãos. Ele tinha candelabros e toalhas sobre a mesa. Era muito diferente. Ele tinha até escravos negros, coisa extremamente rara numa província como a nossa aqui de São Paulo, muito pobrezinha naquela época. Marcou a região da sua propriedade, que antes era conhecida como Taiaçupeba, em referência ao rio.
Pois, não é que a região do Baruel, conhecida apenas por ser uma parada, uma passagem, foi crescendo e na segunda metade do século XIX, chegou a ter treze casas comerciais (nem sei se hoje tem tudo isso!). E devia ter gente importante no local, pois conseguiram mesmo trazer uma escola para o lugar! Coisa extremamente rara então. E a expectativa era de que logo recebesse ali a Estrada de Ferro.
Por tudo o que consegui alcançar, sei há muito, que essa foi exatamente a primeira escola estabelecida em toda a nossa Região. A primeira Escola de Mogi das Cruzes, depois “Cel. Almeida”, é bem posterior, de 1896. A do Baruel foi estabelecida, por Legislação de 28 de Março de 1870, contaria com “uma cadeira de primeiras letras para o sexo masculino”, funcionando anexa à Capela de Nossa Senhora da Piedade, do Baruel. Nessa época não era considerado bom as meninas, as mulheres, aprenderem a ler. Só no início do século XX tivemos mulheres na Universidade. Só nos anos de 1930 as brasileiras puderam votar. Uma das primeiras do mundo.
Temos Legislação que impõe o Ensino da História Local. Só precisamos praticar. Enfim, no dia 28 de Março de 2020, que por Lei Municipal é Dia da Educação, nossa Primeira Escola completará 150 anos. Temos ou não de comemorar com orgulho?
BANNER APS DESKTOP
PMMC NATAL SORRISOS 2019
EPAMINONDAS ADVOGADOS

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias