Envie seu vídeo(11) 97569-1373
domingo 18 de agosto de 2019

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 17/08/2019
PMMC - TRATA BRASIL
CENTERPLEX 15 A 21/08
COLUNA

Sueli Barão

É evangélica, professora escreve aos domingos

Herança preciosa

30 MAR 2019 - 23h59
A tragédia que atingiu a nossa cidade neste mês está fazendo com que muitos pais repensem a educação que têm dado a seus filhos. Na semana passada, estava em uma escola conversando com uma turma de 5? ano sobre a importância da leitura. Como o ocorrido na EE Raul Brasil ocupava todo o noticiário da semana, a conversa foi parar nos jogos virtuais e eletrônicos. Aquelas crianças relataram brincar com jogos violentos, sem qualquer intervenção dos pais. Como educadora, considero que esses jogos não são adequados para crianças e adolescentes. Uma criança exposta a violência tende a reproduzir comportamentos violentos. Quem trabalha na área da Educação sabe que é comum, quando os filhos estão dando problemas, os pais chegarem com o seguinte discurso: "Mas...eu não sei mais o que fazer com ele (a); a escola é que tem que resolver esse problema". Os pais estão delegando para a escola as atribuições que são deles. Sendo assim, diretores e professores estão diante da difícil tarefa de oferecer a educação básica para uma enorme quantidade de crianças e adolescentes, cujos pais não sabem mais o que fazer com eles. A escola, dentro do que lhe é possível para uma educação de massas, tenta fazer a sua parte, com pouco suporte da Rede de Proteção Social, que deveria ser mais atuante e célere. É inadmissível que uma criança ou adolescente pare de frequentar a escola, sem que as providências para o seu retorno sejam tomadas. E isso diz respeito a todos nós. 
Educar dá trabalho. Meus filhos já são adultos. Mas, quando pequenos, exigiram de nós, os pais, muitos cuidados. Foram anos cuidando da formação deles. Anos levando e buscando na escola. Lembro que meu marido fazia um tour pela cidade todos os dias e até nos finais de semana - levava um, buscava outro; os horários apertadinhos - quando chegavam da escola, as refeições já deviam estar preparadas, pois o tempo era curto, e havia as atividades da tarde pela frente. Era um trabalho conjunto. Um ajudando o outro, para que o melhor fosse oferecido aos nossos filhos. Gastamos tempo ensinando, corrigindo. Houve muitos momentos felizes; outros, difíceis. Acertamos em muitas coisas; erramos em outras. Todo o trabalho era recompensado pela alegria deles. Creio que ainda há pais que se empenham em cuidar e educar! Entretanto, um olhar para a sociedade atual nos mostra que muitos pais não se dão conta de que ter filhos é uma bênção e que os filhos são herança do Senhor. Estão apenas procriando, sem assumirem responsabilidade alguma, deixando os filhos à mercê de um mundo mal, expostos a toda sorte de destruidores e perigos. A Bíblia diz que os filhos são herança dada pelo Senhor. ( Salmo 127:3 ) O que você faz quando recebe uma herança? Celebra? É de se esperar que fiquemos alegre, contentes, quando recebemos uma herança. Também nos sentimos gratos, porque alguém se lembrou de nos deixar algo precioso, valioso, que será bem cuidado; temos que zelar por essa herança. A oportunidade de ter filhos, aos olhos de Deus, é como o recebimento de uma herança preciosa, um presente para alegrar as nossas vidas. A chegada de uma criança na família é motivo de celebração. Mas também de muita responsabilidade! Quanto cuidado e dedicação serão necessários durante toda a vida de um filho até que ele tenha condições de cuidar da própria vida! Façamos uma avaliação do tipo de pais que somos - temos amado, educado, protegido e nos dedicado a nossos filhos, reconhecendo neles uma herança de Deus? Ou estamos sendo agressivos, indiferentes, omissos, desistindo deles? (Sueli Barão Rocha de Souza, evangélica, professora, escreve aos domingos.)
ALLIANCE
Espaço da Gula
Espaço da Gula2
PMMC - TRATA BRASIL

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias