Envie seu vídeo(11) 97569-1373
quarta 20 de novembro de 2019

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 19/11/2019
COLÉGIO PLENITUDE
Pmmc maternidade
CENTERPLEX 1411 A 2011
COLEGIO CETES 15/10 A 15/01/20
CENTRO ONCOLÓGICO
COLUNA

Jorge Lordello

delegado e escritor

Meu filho fez algo muito errado, e agora, o que faço?

06 SET 2017 - 06h00
O caso que vou contar é real e aconteceu na cidade de São Paulo.
A família de Amanda alugou um salão de festas para comemorar o aniversário de 15 anos da filha. Oitenta adolescentes foram convidados.
 
A festa começou às 14h e terminou por volta das 18h, quando todos foram embora.
A dona do buffet ficou ajudando os funcionários a limpar as dependências, pois no dia seguinte haveria outra festa. Em dado momento, lembrou-se que havia colocado seu smartphone em cima de um armário que fica num corredor que dá acesso à cozinha. Para sua surpresa, o celular não estava mais lá.
 
"Será que deixei em outro lugar", pensou a mulher e assim iniciou busca por todo imóvel, mas não o encontrou. O aparelho havia sido adquirido há menos de 2 meses, tinha custado um bom dinheiro e guardava fotos familiares.
 
Quando o esposo ficou sabendo do sumiço, foi imediatamente à sala da gerência analisar as imagens do circuito fechado de câmeras de segurança.
Ele passou a verificar apenas as imagens geradas pela câmera instalada no corredor da cozinha. Em dado momento o furto foi esclarecido.
 
A imagem era nítida, mostrava um primo da aniversariante entrando sorrateiramente pelo corredor, pegando rapidamente o celular e escondendo dentro da cueca.
A preocupação, na verdade, não era tanto pelo valor do aparelho, mas sim quanto as imagens e informações contidas e que não estavam salvas nas nuvens.
 
Os proprietários do buffet chamaram para conversar o casal que tinha alugado o salão e exibiram as imagens do furto. O autor foi prontamente reconhecido por eles como sendo um parente. Se mostraram surpresos com o ocorrido e ficaram de noticiar o fato aos pais do adolescente para que pelo menos fosse devolvido o produto do furto à legítima proprietária.
 
A pergunta fundamental é a seguinte:
"O que você faria se o presente fato acontecesse com um seu familiar?"
Obviamente que não é uma pergunta fácil de ser respondida.
O fato concreto demonstra que o adolescente que subtraiu o celular pode apresentar sério desvio de caráter, problemas emocionais, ser usuário de drogas ou até mesmo ter praticado o furto como forma de obter ganho ilícito, fazendo, assim, valer o famigerado "jeitinho brasileiro".
Não deve ser fácil para os pais passarem por uma situação como essa. De qualquer forma, se deve evitar reações imediatistas como agressões verbais ou até mesmo físicas. Entendo ser necessário criar uma boa estratégia para abordar o adolescente infrator, isso com intuito de fazer do limão uma limonada, ou seja, uma experiência de vida que traga reflexos positivos na vida desse jovem.
Pedir ajuda de um psicólogo me parece uma decisão acertada. Com isso se obterá uma opinião técnica e distante de efeitos de ordem emocional, facilitando, sobremaneira, o estabelecimento de ação programada e bem conduzida sobre como lidar com a situação para que o filho entenda a gravidade do ato cometido, de tal forma, que, em se arrependendo, transforme em experiência positiva de vida.
PMMC MIGO
BANNER APS DESKTOP
Pmmc maternidade
PMMC NOVEMBRO AZUL

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias