Envie seu vídeo(11) 97569-1373
sábado 14 de dezembro de 2019

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 13/12/2019
Evatânia Psicopedagoga
Comercial Esperança
CENTRO ONCOLÓGICO
COLEGIO CETES 15/10 A 15/01/20
PMMC DENGUE
COLUNA

Eduardo Caldas

Foi candidato a prefeito em Suzano em 2004. É professor de Gestão Políticas Públicas na USP

Sobre iniciativas e ausências de gentileza!

12 SET 2017 - 22h25
Tenho visto iniciativas que demonstram pequenas gentilezas, apesar das agruras cotidianas, dos atropelamentos, desrespeito com os pedestres, falta de cuidado com o indivíduo que perambula não pelo prazer de flanar mas pela ausência de um lugar seguro e confortável.
Eis algumas iniciativas, muitas das quais presenciadas e outras vistas na reportagem d´O Estado de São Paulo (3/09/2017):
1. As bibliotecas nos pontos de ônibus em Brasília, herança ainda do governo de Cristovam Buarque no período de 1995 a 1998 manteve o programa Mala do Livro. Decorrem desse programa várias iniciativas populares autônomas para incentivar a leitura. Nesta mesma toada, há várias outras iniciativas para ampliar o acesso ao livro e desenvolver o gosto pela leitura das letras e do mundo.
2. Cadeiras e estofados dispostos entre uma tapeçaria e um ponto de ônibus. Além de indicar para os transeuntes e passageiros dos ônibus bem como para os motoristas que naquele lugar tem uma tapeçaria, o tapeceiro presta, de algum modo, um serviço público, e colabora principalmente com idosos e gestantes.
3. Iniciativas de "pet shop" em que os cachorros tem água disponível na calçada gratuitamente. É verdade que apesar do louvável cuidado com os animais, a menos de duas calçadas, observa-se gente descuidada, esmolando por comida e vestimenta.
4. Bares, lanchonetes e restaurantes em que os banheiros são livres. Há outros em que a água e os pães são cortesias (é bem verdade que outros cobram até a rodela do limão).
5. Também há experiências em lojas de roupas em que o comerciante deixa alguns ganchos pendurados na frente da loja e uma placa: "Está com frio? Pegue uma peça. Quer ajudar? Traga uma".
6. O cabeleireiro que transformou fundos de garrafas de plástico em vasos e os pendurou em postes e árvores na rua de seu salão.
7. E finalmente, um "banco de cafés". Trata-se da iniciativa de um vendedor ambulante de café, bolos e quitutes, que comprou uma lousa e ali marca os créditos concedidos pelos clientes. Como funciona? Eu pago por algo que não vou consumir. Então, o vendedor marca na lousa. 
O crédito pode ser com destinatário ou livre. Se for com destinatário, espera-se por ele. Se for livre, ao final do dia, o vendedor distribui cafés, bolos e quitutes financiados livremente.
Trata-se de ideias simples, de baixo custo, parco investimento financeiro, funcional do ponto de vista de marketing e agradável para o público. Histórias dessa ordem merecem ser contadas e recontadas. 
Essas ideias, além de admiradas e admiráveis, podem inspirar o poder público, porque são notórias a ausência de política pública, garantia de direitos e mesmo gentileza: faltam abrigos nos pontos de ônibus; contadores de histórias e promotores de leitura; bibliotecários e acesso aos acervos públicos de livros; banheiros públicos; cortesia nos atendimentos; comida boa, acessível e de baixo preço. No caso de Suzano, o Restaurante Popular, "patrimônio histórico", continua fechado, os andarilhos não tem abrigo, parques e praças estão abandonados e mesmo as guias e sarjetas carecem de cal.
PMMC NATAL SORRISOS 2019
PMMC DENGUE 2019
EPAMINONDAS ADVOGADOS
BANNER APS DESKTOP

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias